Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Não quero ser vítima

Aqui há uns dias ao ler a notícia de uma jovem que foi raptada com 10 anos, Natascha Kampusch, que aos 18 conseguiu fugir e que entretanto conseguiu lidar com esse aspeto da sua vida, inclusivamente escrevendo livros levou-me, como muitas vezes, a pensar nesta sociedade.

 

Ao que parece Natascha tem sido acusada, agredida, e causa polémica. E tudo isto porquê?

Porque ela se recusa a “vestir” o papel de vítima!

 

É incrível como as pessoas que nos rodeiam sentem que as suas necessidades têm que ser as nossas.

 

Por experiência própria vivo isso! Recuso-me muitas vezes a vestir o papel de vítima. Sofro de uma dor crónica e com isso tenho a necessidade de lutar contra o meu aspeto cansado, pondo maquilhagem, algo que nunca usei até então, e é incrível como muda todo o meu semblante! Faço por sair de casa, sempre que consigo, quando muitas vezes a minha vontade é ficar deitada e quieta.

 

Opto por usar os meios disponíveis, nomeadamente cadeira de rodas, quando é necessário andar muito, para desfrutar de algo. E isso é um acontecimento que causa estranheza aos demais. Já me disseram que se eu não conseguia andar muito deveria fazer férias numa praiazinha sossegadinha em vez de andar a conhecer novos locais.

Mas porquê? Pergunto eu.

Será que a minha família terá que ser obrigada à clausura só porque eu tenho limitações?

Será que sou menos pessoa?

Usar uma cadeira de rodas quando preciso faz de mim inválida?

Evitar usar a cadeira faz de mim uma pessoa mais forte?

Será que já não é suficiente o que sinto para que tenha que complicar ainda mais?

 

Eu penso que não. Eu gosto de conhecer novos locais, gosto de fazer, de tentar, de ver, de sentir novas coisas… enfim… recuso-me a vestir o papel de vítima! Uso o que tenho a disposição para poder desfrutar o que a vida ainda me oferece. Para quê complicar mais algo que já é complicado. Mais vale aceitar e lutar com as armas que tenho à mão.

 

Noto, no entanto, que porque eu aprendo a lidar com o que tenho as pessoas pensam que já não sinto dor, ou não aceitam que eu consiga viver e tento desfrutar de algo, mesmo com a tormenta que se cala em mim. Não preciso de fazer alarde disso! Não preciso que os outros vejam eu tenho dor, não preciso de pena. Preciso simplesmente de viver os poucos momentos, já que a nossa passagem é curta, só isso!

 

VITIMA.pngRetirado da Internet. Não que eu seja fã do tipo, mas nesta ele acertou na mouche!

 

 

 

 

 

 

 

 

Pela A4....

carro carregado.jpg

 De certeza que todos conhecem a loja IKEA, e de certeza que sabem que o cliente é quem monta os móveis, e os carrega, caso não queira gastar mais. Por isso os móveis lá são baratos! A mão de obra transportar-montar não é equacionada na conta!

 

Como vamos fazer umas mudanças aqui em casa decidimos comprar os móveis lá, na Suécia IKEA, como tal, e dado que temos uma monovolume versátil, há que retirar parte dos bancos traseiros e carregar a carripana o mais que pudermos. Aliás! Como se o carro já não fosse suficientemente cheio por dentro ainda metemos, bem... meteram os homens da casa que eu só fiquei a olhar, mas para todos os efeitos conto na equação. Como ia dizendo, metemos um colchão e umas portas de um guarda-fatos no tejadilho!

 

Estão a imaginar bem a cena? Carro a abarrotar, só com o espaço para o meu filho, eu e, claro, o condutor nos sentarmos. E, como já disse, colchão e portas grandes no tejadilho. E vai de sair então rumo ao quente Nordeste Transmontano eram as 21:00h, ainda não tínhamos jantado, mas fartos de andar naquele shopping, e mortinhos para chegar a casa, combinamos buscar qualquer coisa e comermos pelo caminho.

 

Íamos nós pela A4 e o catano do carro começa a solavancar! Solavanco daqui e dali o meu marido, o senhor condutor, tem tempo de encostar antes de o carro morrer definitivamente!!!

 

Irra! Temos o carro mais do que carregado e tinha mesmo que avariar agora???!!! Ainda por cima na autoestrada com uma estação de serviço mesmo à frente!!! Não! Isto não está a acontecer! Mas estava....

 

Vá vamos então colocar o  de sinalização de carro avariado. Péra aí! Onde acham que está a porra do triângulo?!

 

Acertaram. Por baixo de toda a tralha metida no carro junto ao pneu sobresselente. Que se lixe o triângulo!

 

Toca a activar a assistência em viagem. É disponibilizado um reboque, e ficamos a saber que não pode levar o carro, carregado de coisas, até nossa casa!!! Ó não!!!

 

Vá, menos mal, o local onde o reboque irá ficar, com o nosso carro, é fechado e não existirá a hipótese de assalto (era o que faltava...). Estávamos num sábado e combinamos com o motorista do reboque que poderia levá-lo segunda de manhã, isto para não lhe estragar o fim de semana, visto que a garagem para compor a avaria só estaria aberta da segunda. Não sabia eu na altura que só voltaria a ver o meu carro na segunda às 19 da tarde e com um outro motorista de reboque furioso porque o colega de sábado quis foi passar o serviço! Adiante...

 

Quando o táxi chegou para nos levar, o meu marido tem o lampejo de verificar se o colchão do tejadilho estava bem preso, não fosse ainda haver mais azar. Quem adivinha?

 

Não sei se se lembram que no tejadilho estava um colchão e umas portas grandes. Pois, as portas estavam quase a cair!!! Ó valha-me um santinho de meias rotas!

 

Há que rebater o banco da frente do acompanhante, colocar as portas grandes no carro e rogar ao motorista do reboque que colocasse mais uma corda no colchão só para o caso de....

E lá seguimos, finalmente, rumo à nossa querida casinha, eram às 23 da noite....  de estômago vazio, e sem vontade de ver comida à frente, só querendo uma cama que não tivéssemos que montar e transportar...

 

 

Pokegopositivo

pokemongojpg

 

Ontem existiu uma conversa cá em casa muito interessante. O meu filho tinha combinado uma saída com os amigos, mas dado que se aproximava a hora combinada o meu marido, prestativamente perguntou,

- Queres boleia? Eu levo-te até lá em baixo, não há problema.

- Não pai. Além de eu gostar de andar tenho uns ovos para chocar.

 

Óbvio que isto nos fez rir a todos até já não aguentar mais. Chocar ovos???!!! A Sério?!!

 

Passada a folia algo me veio à mente. Ó páh! Mas este jogo até pode ser bestial! Ora pensem comigo:

 

Primeiro; muitos Pokemons estão em edifícios emblemáticos e históricos, tais como, igrejas e monumentos. O que obriga a miudagem a olhar para eles, e a ir até lá. Algo que a que nem ligavam antes de existir lá um Pokecoiso interessante que faz algo pokeestupendo, tem asas e tal.

 

Segundo; e muito importante, obriga a malta a sair de casa! E quais não são os pais que se queixam dos filhos passarem demasiado tempo agarrados ao computador?

Embora o meu filho contrabalance bem esse tempo,  e contam-se pelos dedos de uma mão as tardes que ficará em casa a jogar, mesmo assim, acho que a ideia é muito interessante.

 

Terceiro; além de saírem de casa têm de andar a pé! Senão os ovos não chocam (Vá! Pronto riam-se lá ) e não há funções maravilha para ninguém! Mas que ideia brilhante!!

Os meus parabéns quem teve esta ideia luminosa, que sei que partiu inicialmente de uma brincadeira da Google, sendo aproveitada à posteriori para ser colocada em prática, mesmo assim há que dar os louros a quem a colocou em prática!

 

Bem, estes são os pontos positivos que lhe encontro. Claro que tem que se andar com cuidado, não ser distraído a atravessar estradas, não ir para locais perigosos, enfim, uma série de recomendações que até foram lançadas pela PSP, alerta às novas modas e tecnologias. Isto obriga a uma conversa em família e a um momento de ensino aos filhos, afinal são recomendações que não vão muito além do que qualquer pai deve dizer, e até isso poderá ser olhado como um momemento proveitoso.

 

Quanto às figurinhas que alguns adultos fazem? Sim porque aos jovens perdoa-se-lhes e compraz-nos vê-los entusiasmados.

 

Essas figuras dariam um outro post. Mas querem saber? Se não se importam de fazer figuras tristes e se divertem? Bom para eles e para mim que me divirto a olhar

 

 

 

 

Preste atenção por favor

phone_00.jpg

 

Atravessamos a era do desenvolvimento tecnológico! O que diria o Homem, aqui há uns anos, se visse que em vez de caçar alimento estivéssemos a caçar bichanos imaginários com um aparelho?

 

Mas eu até vou aceitando toda esta febre, até posso tentar perceber que seja divertido caçar algo que não existe. O que não percebo é a falta de civismo que vai alheada ao uso da tecnologia que está ao nosso dispor para nos facilitar a vida!

 

Ó ótimo termos hipótese de comunicar com quem desejamos a qualquer hora! Até porque em situações urgentes torna-se premente o seu uso . Mas quando essa tecnologia deixa de existir para nos servir e passamos a ser nós a servi-la há algo muito errado!

 

Já não é a primeira vez que estou numa consulta, a explicar algo importante, e a pessoa SEM PEDIR DESCULPA, atende o telemóvel que entretanto toca!!

 

O que me apetece fazer é pegar no aparelho e desligá-lo, e qualquer dia passo-me da cabeça e é isso mesmo que faço! E depois vão lá escrever no livro amarelo!

 

Também já não é a primeira vez que o raio da coisa toca sem parar, até que eu, já farta daquilo e de quem do outro lado que não percebe que não se pode atender, falo para a pessoa que tenho à minha frente para calar o aparelho porque assim não há quem consiga concentrar-se!

 

Para a próxima, juro, que se me atendem o telefone (a menos que a pessoa me explique porque vai atender) saio da sala e só volto lá passado uma hora! Quero ver o que vai fazer o Sr. Utente nesse caso!

 

Isto é que vai uma crise, mas não é de dinheiro, é de civismo!

 

 

 

Criança # Adolescente

calvin-hobbes-.jpg

 Quando o meu filho era criança a imagem de cima ilustra na perfeição o que tínhamos que fazer para o levar às compras! Isto quando era indispensável que ele experimentasse a roupa, pois de outra forma eu comprava sem que ele estivesse presente.

 

Agora nesta fase de adolescência?

É vê-lo todo alegre e contente! E nós a termos que colocar um travão senão seria bem capaz de trazer a loja toda!!!

 

Incrível como se operam mudanças no ser humano....

 

O problema de estar acordado

traição.jpg

 

Não é a primeira vez que nos filmes, séries e telenovelas ouço esta frase,

"Dormi com fulano(a)!"

 

A seguir a isto ser proferido há choros, pontapés, raiva e separação!

 

A minha dúvida é, não seria pior se tivessem ficado acordados?!?

Penso que talvez esteja na hora de mudar esta frase cliché para,

 

"Estive acordado com fulano(a) na cama, na mesa da cozinha, no chão da sala, no elevador,...  bem, enfim, no local de maior permanência"

 

 

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D