Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Cerebro "internauticado"

Eu sei que internauticado não existe, mas a linguagem vai crescendo e novas palavras vão surgindo. Afinal só estou a usar as capacidades do meu cérebro, antes que ele se baralhe de tanta internet, embora ache que não sou das que corre mais riscos....

 

Segundo um senhor chamado Nicholas Carr a internet está a alterar de tal forma o nosso cérebro que pode chegar a reduzir a nossa capacidade de armazenar memórias a curto prazo. Este senhor já lançou um livro sobre o assunto "The Shaollows" e, apesar do que diz, é um manifesto bloguer.

 

Ele interessou-se pelo tema quando se apercebeu que algo estava a mudar na forma como estruturava o pensamento numa altura em que usava muito o computador. Começou a perder capacidade de concentração, sentia que a mente não queria prestar atenção e que queria comportar-se como se ele estivesse no computador, mesmo quando este estava desligado, o seu cérebro queria saltar de um link para o outro, ir ao google, consultar o e-mail, twittar ou ver se alguém já comentou no blogue. Estas alterações levaram-no a investigar de que forma o cérebro reagia a este avanço da tecnologia e a estas multitarefas.

 

Em suma, no estudo ele  verificou que à medida que nos habituamos a ter todas as informações disponíveis à distância de um "clic", o cérebro torna-se preguiçoso em criar memórias internas. Afinal é preguiçoso mas não é estúpido!

 

A capacidade de armazenamento da memória altera-se e uma dessas razões é porque não precisamos de o fazer, afinal basta "googlar". Mas a preguiça pode sair cara!! Uma vez que a profundidade do nosso conhecimento e o nosso intelecto dependem da capacidade de formar memórias a longo prazo, pois são elas que estabelecem ligação a novas informações, a tudo o que aprendemos, a experiências e até a emoções. Estas ligações são a chave do conhecimento e do pensamento crítico... Querem preguiça? Não dá! O cérebro precisa de exercício!

 

E agora a estocada final! Os estudantes, habituados a estas lides googlistícas (estou em forma :)), Facebook, Twitter, E-mail, .... fixam melhor o "onde" do que "o quê". Lembram-se mais dos sítios onde encontram informação do que dela própria.

Ou seja daqui a uns dias quem aqui vier lembra-se do "Eu tento, mas o meu tento não consegue" e não fazem a mais pequena ideia do que eu estive aqui a desbobinar!!

 

Mas ainda assim eu tento :)

20 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D