Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

A força de um palavrão!

Faz já algum tempo li um artigo do Miguel Esteves Cardoso sobre o palavrão. Nesse tal artigo, ele expunha a ideia de que os palavrões deveriam ser usados livre e inocentemente, pois se assim não fosse, e para citar o autor,  "...eles tornar-se-ão em meras obscenidades. E para obscenidade já basta a vida em si."

 

Já alguém, aqui na blogosfera, me incentivou a fazer um artigo sobre o poder de um palavrão. Pois é, Aquariana! Hoje chegou o dia de pôr o palavrão a funcionar!! E porquê hoje? Simplesmente porque alguém no meu serviço me disse que nunca me tinha ouvido dizer uma palavrão. A minha resposta foi - Ainda bem que não me ouves os pensamentos! Porque certamente se o conseguisses ficarias corado!!!

 

O palavrão consegue ser muito útil, por exmplo tem um grande poder analgésico. Quem não se entalou e soltou já um valente "c@r@lho? Put@ que pariu.... (nas reticencias está o alvo do tormento)", parece que a dor até atenua depois de soltar um despautério destes. Ahhhhhh....!

Imaginem agora se no lugar deste poderoso analgésico de primeira linha, se proferisse "Oh! Que maçada, aleijei-me a valer com....(novamente o alvo do tormento)", claro que a dor iria durar muito mais tempo e talvez até se tivesse que emborcar um paracetamolzito.

 

O palavrão serve para tudo, e está tão intrincado no nosso linguajar que até é largado em diretos televisivos, ou não se lembram do tão famoso "Ai fod@-se" do João Manzarra após uma queda inesperada do cantor Pedro Abrunhosa?

 

O palavrão serve para cumprimentar "Então pá? Tás fino c'mó c@r@lho!"; serve para soltar a nossa frustração "Estou a ficar ficar f&dido com aquele gajo!" ou "Não consigo fazer esta merd@! Put@ que pariu!"; serve para exprimir sentimentos "Amo-te c'mó c@r@lho!" (esta eu juro que ouvi, por mais estranho que pareça, não foi para mim, aconteceu é que eu ia a passar, por acaso=)); serve para ilustrar condições térmicas "Fod@-se! Está um frio do c@r@lho!", ou para aliviar-nos da pressão da crise "Fod@m-se lá os gajos do Governo! Onde é que eu gastei mais que as minhas possibilidades c@r@lho?" (e dito desta forma de certeza que não terão coragem de nos chamar piegas, e se tiverem também nos sairá uma resposta à maneira)

 

E na impossibilidade de o expressar verbalmente, embora o efeito não seja tão poderoso, pode pensar-se. Por isso hoje na minha mente, enquanto tinha que lidar com uma certa arrogância e falta de respeito pela minha ilustre pessoa, passaram-me coisinhas que nem com carateres a disfarçar conseguiria elucidar quem por aqui passe.

 

O meu tento acha que o palavrão é sim uma palavra de muita utilidade, e claro com muito valor e não pensem espetar-lhe com o acordo ortográfico em cima! Ou acham que ficaria bonito dizer "Qui caraca!" ou "Putis grilo". Terá que ser sempre à boa maneira portuguesa de peito cheio e com vigor (nem que seja no vigor de um pensamento livre)

 

 

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D