Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

A frio e em silêncio

Este artigo escrevi originalmente no blogue "Não me pisem os calos", que divido honrosamente com o patrão do sítio "Eu Ando às Voltas" , mas achei que também deveria expô-lo aqui, porque esta acaba por ser umas das minhas tentativas de fazer eco e convidar à reflexão. Porque de vez enquando o silêncio pode ser o mais forte dos gritos

 

Passou um semana turbulenta. Turbulenta em notícias e em reações quentes.

 

A greve passou e não consegui dizer nada sobre ela, sem saber também o que pensar e onde me colocar. Ouvi, das mesmas pessoas que nunca fizeram greve, "desculparem-se" que não faziam greve por falta de dinheiro, a resposta que invariavelmente recebem é "Eu tenho muito dinheiro e por isso quando faço greve é porque já não sei o que lhe fazer"

 

Primeiro estou fartinha destas desculpas, não fazem greve ponto. Ninguém precisa de se desculpar, e não precisam de lembrar que não vamos receber esse dia. Embora eu saiba que para muitos, mas muitos dos que até iam reagindo, esse dia sem receber iria sair mesmo muito caro.

 

Segundo, não consegui mesmo posicionar-me em relação a esta greve. Não concordo com o raio do acordo bipartido, não concordo com alguns direitos adquiridos atirados para o charco e não concordo que paguem todos pelos abusos de alguns.

 

Terceiro, entristece-me ver que muitos não se identificam com as forças sindicais. Se não fossem os sindicatos já teriam certamente feito picadinho dos trabalhadores, mas alguma coisa está a falhar, algo que não consigo identificar com precisão, mas está lá, a moer, a desgastar as forças sindicais que mais parecem, desculpem-se a analogia um "F. Clube do Porto" e um "S. L. Benfica", com os adeptos a puxarem cada um para seu lado em campos opostos.

 

Enquanto as Centrais sindicais não se unirem talvez não conseguirão unir um povo desfeito, esmigalhado e sem presença de espírito para reagir. Fartos de greves soltas vendo que nada do que fazem trará mudança. OK! Mas então o que fazer?

Muitos respondem-me que não vale a pena fazer nada porque "eles" fazem o que querem. Pois fazem. E porquê? Porque nós deixamos, porque o povo não está unido e a última vez que esteve foi há 38 anos perdidos na memória.

 

Odiei as imagens que vi da carga policial aos manifestantes que, arruaceiros ou não, não deveriam ser levados a ferro e fogo.

Desde quando a violência é resposta?

 

Quando via as imagens pareciam inacreditáveis, parecia-me que não eram em Portugal, dito País de brandos costumes. Pois é! Mas as coisas não estão brandas.

 

Apeteceu-me ter a força e o jeito para organizar manifestações. Mas não uma manifestação qualquer. Uma manifestação do povo, sem centrais sindicais e sem forças políticas de oposição. Sem faltas a trabalho, porque sei que muitos não podem, num fim de semana em que as pessoas deixassem por um dia de se sentirem sós e passassem a sentir-se parte de um povo que está a sofrer, isto porque alguém andou a abrir as mãos e a gerir mal a esperança que lhes depositamos com confiança. Num dia em que as pessoas deixassem de ser abstémias, como tem sido hábito em altura de eleições. Num dia em que nos sentíssemos unidos. Pode ser que não possamos fazer nada, mas estamos juntos nesse nada que não podemos fazer!

 

Uma "manifestação do silêncio", o silêncio em que estamos, o silêncio que achamos que temos que estar, por medo, coagidos, talvez porque sentimos que as forças se estão a esvair, porque se pensa que não vale a pena. Sem marchas, sem palavras, sem entrevistas, com as pessoas sentadas e nos pontos principais de cada capital de Distrito, com as pessoas a fazerem o que fazem todos os dias, e que se tem vindo a fazer nestes anos todos, a estarem simplesmente em silêncio e com o olhar perdido na esperança, na esperança que isto passe depressa e que ainda estejamos de pé no fim!

 

Um silêncio por uma Europa sem rumo certo ou com um rumo perdido algures na força do capitalismo.

 

Com os calos a doer, mas em silêncio porque talvez assim ouçam melhor a força que ele tem!

 

Pode ser que alguém com mais força do que eu consiga motivar um povo, consiga unir pelo silêncio o que está desfeito por palavras.

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D