Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Em bicos de pés

 

Educar deve ser a tarefa mais complicada à face da terra! A menos quando se trata de educar os filhos dos outros... Quando são os filhos dos outros haverá sempre a famosa frase "Tens que..." (que ficará para desenvolvimento em outro post). 

Chegar ao fim do dia e realizar a devida introspecção do que fizemos, se o que fizemos deveria ter sido feito assim, coloca-nos num dilema gigantesco. Pensar que temos que ser coerentes, positivos, assertivos, brincalhões, atentos, descontraídos, meigos mas firmes,... é almejar uma perfeição que não existe. E não é a primeira vez que chego ao fim do dia com um aperto no coração a pensar que errei com o meu filho, mais uma vez...

 

E agora, enfrentando a ameaça da adolescência (a idade do armário), aquele monstro tenebroso que insiste em assustar o pai mais pacífico. Encarar as críticas do nosso pequeno amor que está a crescer a olhos vistos. Confrontar as suas opiniões com aquilo que nós pensamos, com o que achamos que estava correcto, mas que afinal pensando bem no seu ponto de vista não estava assim tão isento de erros, e alguns deles até bem crassos, dá a volta à mioleira de qualquer ser que decida pensar na educação. Pois... é o problema de se pensar demasiado!

 

Alguém dizia na aldeia, "Benditos os pobres de espírito que deles será o Reino dos Céus!". Entendendo que o Reino dos Céus pode ser a paz de espírito e a ausência de preocupações, sentidos de culpa e afins. Sim, benditos os pobres de espírito que não reflectem.

 

Um livro relembrou-me uma teoria interessante. Aquela que nos diz que pensamos muitas vezes que temos que nos baixar ao nível das crianças. Que Temos que nos tornar mais pequenos. Nada mais errado! E o meu filho prova-me isso desde que nasceu. Somos sim, obrigados a elevarmo-nos até à altura de seus sentimentos. A tentar ficar em bicos de pés para não os magoar. A crescermos para ter a audácia de aprender com eles e com os nossos imensos erros!

 

 

Imagem retirada da net, obrigada a quem as disponibilizou




32 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D