Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

O meu Abril (2ª parte)

 

... Continuação do artigo (post) anterior

 

 

 

 

Para mim tudo era estranho naquela casa para onde meus pais me levaram. Não tinha brinquedos e não tinha a minha cama, dormia num quarto ao lado dos meus pais e tinha muito medo na noite demasiado escura. Conheci o meus avós, a casa era deles. O meu avô gostava de brincar comigo às escondidas mas a minha avó não parecia ter muita paciência e eu evitava chegar perto dela, tinha uma cara de zangada.

 

Lembro-me que se falava na festa da aldeia e todos pareciam menos tristes por isso, mas eu não gostei daquela festa! Ouvi os tiros outra vez e escondi-me na despensa debaixo de uma prateleira e não saí nem quando me chamaram! Não fosse dar-se o caso de os tiros estarem perto como pareciam. O meu avô encontrou-me e ficou ali ajoelhado, perto de mim, até o barulho dos "tiros" passar.

 

Não gostava daquela casa. Sei que o meu pai também não gosta, mas a minha mãe finge que não se importa de ali estar. Ouvi dizer que o meu pai vai trabalhar outra vez para a mina. Decido não gostar dessa mina. Dizem que é escura e fica debaixo da terra, não gosto de sítos escuros. Quero ir para minha casa, quero os meus brinquedos e o meu baloiço. Porque é que não voltamos para casa?

 

Meus pais explicam que uns senhores tiraram a nossa casa, e tudo o que tínhamos, as malas não chegaram a Portugal. Só temos a nossa roupa e algum dinheiro poupado, não muito, o que deu para poupar e trazer connosco desses três anos de início de vida. Explicaram que já não podemos voltar para a casa que eu gosto... a minha casa! Esses senhores foram maus, porque é que eles fizeram isso?

 

Meus pais notaram que na aldeia onde estavam a vida continuava difícil, mais difícil agora onde parecia que já não eram Portugueses. Ouvia dizer que eles eram retornados. Decidiram tentar a sorte em outro país, desta vez o Brasil, onde nada correu como esperavam, mas essa é outra história...

 

A base destas duas histórias serve para deixar um testemunho de alguém que cresceu a ouvir falar mal do 25 de Abril, e que este lhes "roubou" tudo o que tinham! O que não deixa de ser verdade, em certa parte. Nada foi fácil a partir desse dia, pedi o meu mundo, o único que conhecia, e perdi-o de uma forma muito dura para a idade tenra que tinha! Mas cresci a saber respeitar o outro, a ser solidária, a ver o todo e sobretudo a prezar muito a liberdade que tenho  de poder expressar-me, de poder ter as minhas ideias e de lutar por elas sem medo. Aprendi a não olhar só para o meu umbigo, e apesar de ter perdido muito, ganhei algo que prezo acima de tudo - LIBERDADE -

 

Por isso, não sou uma simples citadina que não sabe as dificuldades do pós 25 de Abril. Eu vivi-as no meu jovem corpo e na minha alma! Talvez por isso, por tudo o que possuo ser suado, conquistado e fruto de muito, mas muito, trabalho que sei dar valor ao que tenho e àquilo que foi conquistado naquele dia. Naquele 25 de Abril de 1974!

 

 

 

 

20 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D