Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Eu tento, mas meu tento não consegue!

E pior do que não conseguir é nunca ter tentado... Bem vindo! Faça de conta que está em casa :)!

Educação Sexual para todos

aculpa.jpeg

 

Dei por mim a pensar num assunto que julgo de alguma pertinência, embora alguns o encarem como polémico.

 

Existe desde há uns anos educação sexual nas escolas, normalmente incluída na hora de “Educação Cívica”, e segundo a opinião do meu filho é falado sempre o mesmo. Todos os anos falam sobre a biologia e a técnica da coisa, algo que já faz parte dos programas das disciplinas de Ciências e Biologia, mas esquecem o mais importante, os afetos, como lidar com a pressão, como lidar com o sentimento, como gerir todo o turbilhão de emoções próprios da idade e a quem pedir ajuda, se for caso disso. Ademais, esquecem também de evoluir a explicação consoante a idade. Um adolescente do 7º ano não tem o mesmo desenvolvimento mental de um adolescente do 9º, ou 10º anos.

 

Dá-me ideia que em muitos casos se pede a um profissional de saúde que vá à escola falar sobre o tema, esse profissional faz uma apresentação em Power Point , conta mais uma sessão de apresentação no programa de saúde escolar, onde o número de apresentações é sempre muito importante, porque todos sabemos que o que é importante são os números. Mas depois não há seguimento, a sessão é isolada. Pode, eventualmente, até existir mais do que uma sessão mas sem grande aprofundamento. E pronto, já foi feita educação sexual e professor e profissional de saúde respiram fundo.

 

Mas e será que os alunos respiram fundo?

 


Não é o sentimento que me passam os adolescentes com que contacto.

 


Além disso, há outra parte muito importante que é esquecida, e aí sim, muitas mentes explodirão!

E para os adolescentes cuja homossexualidade se está a manifestar?

O que é feito?

Será que por serem uma minoria não merecerão a dita “educação sexual”?

Estamos no séc. XXI onde o casamento com pessoas do mesmo sexo é permitido, mas ainda falta muito para que exista aceitabilidade e inclusão dessa minoria.


Lidar com a descoberta de que se gosta de alguém do mesmo género sexual não é fácil nestas idades, até porque existe o menosprezo por parte dos pares, e muitos ficam com um nó na cabeça.

Será que não os poderíamos ajudar?

Será que incluindo esse tema na educação sexual nas escolas e encarando-o naturalmente, como deve ser feito, não seria melhor para todos?

Diminuiria o menosprezo, o bulling, a exclusão e os preconceitos.


Provavelmente vale a pena pensar nisso.

 

 



Querer Amar

casalhomens.JPGImagem retirada da internet - Dois pais para um filho

 

Depois de, finalmente, sair do Parlamento a notícia da aprovação da adopção por casais do mesmo sexo  houve palmas. Também eu bati palmas aqui de longe. É certo que por este Trás-os-Montes convencional fui das poucas a fazê-lo. Mas existem muitos que apesar de serem contra, aceitam e tentam conviver com a lei e a realidade, conheço muita gente assim.

 

No entanto, muitos há que não concordam, não aceitam, e demonstram a sua homofobia, ignorância, e até falta de humanidade nos comentários que fui lendo nas redes sociais. A eles choca-lhes a aprovação da lei a mim choca-me os seus comentários aberrantes. Um dos Blogues que sigo fez uma compilação de alguns, podem ver aqui: Por Falar Noutra Coisal.

 

Opinarei sobre o que ouço mais aqui por este lados, a desculpa que as crianças adoptadas serão vítimas do "gozo" dos seus colegas, portanto, vítimas de Bulling. Provavelmente serão, mas digam-me. E os que usam óculos? Os gordinhos? Os que estudam muito, os "marrões"? Os que têm as orelhas maiores? (como me aconteceu a mim).

Esses também são, muitas vezes, vítimas da intolerância dos seus pais transferida para eles.

 

Não me venham com coisas! As crianças que são agressoras, e que vitimizam os colegas, não foram ensinadas a respeitar, a tolerar e a aceitar! São o espelho do que têm em casa! Muitos mudarão a sua forma de agir e pensar, quando tomarem consciência, quando tiverem oportunidade de crescer como seres humanos, mas a grande maioria tornar-se-á nos adultos que fazem estes comentários infelizes nos jornais e redes sociais. 

 

Felizmente as mentalidades têm vindo  a ser livres, a aceitarem que o mundo é mais rico com a diferença, com amor. E uma criança tem o essencial quer com dois pais, duas mães ou um pai e uma mãe.

 

Muitos infelizes falaram em pedofilia, para esses tenho uma pergunta. Nunca viram notícias de filhos de casais heterossexuais em que o pai abusa das filhas? Infelizmente acontece.

Mas ser-se homossexual não é ser-se pedófilo. E querer adoptar é querer amar uma criança. Não sujem o amor só porque há mentes emporcalhadas no mundo. Se fossemos guiados por esse medo olharemos de lado para todos os pais e mães!

 

Devia ter raiva, ou asco, destas tristes mentalidades mas tenho pena! Pena que não tenham o coração livre para aceitar o amor. Isso que li não é ter uma opinião diferente da minha. Porque isso tolero e respeito. Mas tristes argumentos demonstram um não se saber ter humanidade. Porque o amor não escolhe idade, género sexual, estatuto ou cor. O amor é livre!

 

casalmulheres.jpg

Imagem retirada da internet - Duas mães para um filho 

 

Mais uma...

 

Imagem retirada do J. Público de hoje

 

Nada como uma tira de banda desenhada para nos fazer rir e elucidar sobre o que se passa à nossa volta.

 

E que mais haverá a dizer sobre este tema?

 

Tal como muitos têm dito, e que é a minha opinião,  a orientação sexual é do foro privado de cada um.

O que cada um faz no quarto (ou em outra divisão qualquer) e entre as quatro paredes (ou até ao ar livre) não diz respeito a mais ninguém! E mais, em que é que  a orientação sexual influencia na capacidade de educar e amar uma criança?

 

O que muito boa gente faz fora da sua intimidade como casal é que me preocupa! O "Manel" e a "Maria" que esbofeteiam os filhos, porque assim é que se fazem rijos! Que não lhes ligam, porque lhes fortalece o carácter. E que estão mais preocupados com vida alheia do que com a deles. Isso sim, é preocupante!

 

E é mais do que óbvio que a nossa população não está preparada para um referendo que envolva algo como "orientação sexual". Penso que ainda existe muita gente homofóbica. E já agora, referendar o quê?

 

Tentem lá avançar com a co-adopção entre casais do mesmo sexo para o bem, e estabilidade emocional, de crianças que já conhecem essa realidade e que nada vai mudar nas sua vidas.

Liberdade de escolha

Existem atitudes que para mim, cabeça simples, me parecem demasiado rebuscadas...

 

Uma delas é a atitude do prémio de Nobel da paz, Ellen JohnsonSirleaf, que lutou pela igualdade das mulheres e recentemente veio defender, em público, a criminalização da homossexualidade!

Ou seja, as mulheres têm os mesmos direitos SE não forem homossexuais, caso contrário são condenadas. E ao que parece querem aumentar a pena até 5 anos de prisão! Como é lógico isto é valido para os homens que se achem na liberdade e no direito de ter opção sexual.

 

Ao que parece nesta sua afirmação podem estar interesses políticos, uma vez que ela não possui a maioria e necessita de apoio parlamentar para lutar contra outras questões mais prioritárias tais como, corrupção e desemprego entre os jovens.

 

Ok! São de facto assuntos prementes, mas um Nobel da paz tem a responsabilidade de defender a igualdade, a paz e liberdade. E de facto deve ser difícil ter que “engolir sapos” uma vez que não se pode abraçar todas as causas, porque quero acreditar que é isso que está a acontecer, a Nobel da Paz está a engolir um grande sapo pois não deve ser fácil viver num local onde a liberdade e igualdade são palavras novas e em evolução.

 

Como se pode considerar a homossexualidade uma ofensa criminosa?

Não será uma ofensa criminosa não dar liberdade de escolha a quem vê a felicidade de forma diferente?

 

E a escolha sexual é íntima, pessoal e até uma questão de felicidade e paz interior. E parece-me mais “perigoso” um ser infeliz, acuado e reprimido.

 

Eu bem tento entender como a escolha sexual de uma pessoa pode interferir com o bem estar geral, mas o meu tento não consegue.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D