Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

A importância de a malta estar animada

Esta história da tolerância do Carnaval tem sido assunto na blogosfera. Neste mundo virtual, esta partilha de opiniões é muito positiva e muitas vezes ao lê-las mudo a minha opinião relativamente a determinado assunto, no entanto este jogo de ping-pong público/privado é uma coisa que me encanita.

A guerrilha de que se o "privado" não tem, o "público" não deveria ter, para mim deveria ser outra, deveria ser se o "público" tem, o "privado" também deveria ter. Se o público tivesse tolerância no carnaval, ou em outras alturas culturalmente importantes, a luta deveria ser para que os privados tivessem também, e porquê?

 

Porque a economia não deveria estar à frente das pessoas, mas sim as pessoas à frente da economia, e porque pessoas felizes trabalham melhor! Perguntem isso a qualquer entendido em psicologia que ele concordará comigo certamente.

 

O carnaval não está no calendário como feriado (F) está como Entrudo (E), e afinal o que quer dizer Entrudo?

Entrudo pode ser designado pelo conjunto de brincadeiras e festejos que ocorrem neste dia, que precede a época da Quaresma, a bem dizer é uma altura em que os crentes e os não crentes se podem soltar e divertir.

 

O divertimento é importante caramba! Soltarmo-nos é importante! Estou farta de tristezas, estou farta de ouvir os nossos políticos que fazem vergar com palavras quem já anda vergado de emoções.

 

Não me digam que não gostavam de ter mais um dia para estar com a vossa família e poderem dar-se à liberdade de brincar?

 

Eu sei que não vamos ter esse dia mas não me digam que não era preciso, não me digam que não fazia falta e sobretudo não dividam os "públicos" e os "privados", TODOS precisamos de esquecer a crise, de usufruir um pouco de horas livres. Naturalmente isso não poderia ser aplicado a todas as profissões, mas as que não o tivessem que se deixassem de ressabiamentos porque a vida são dois dias e um já vai a meio! Porque o que levamos daqui são as horas que passamos a fazer o que mais gostamos. Se essas horas forem a trabalhar tanto melhor! Mas se não forem, aproveitem e divirtam-se! Animem-se! Porque a malta precisa de estar animada e assim até trabalha e produz mais e melhor!

 

Já nos cortaram dois feriados (sem contar com os religiosos), a meu ver até de alguma importância cultural e histórica do nosso País, e o carnaval também já foi.

O meu tento fica a pensar se um povo que trabalha, ganha pouco, ficou sem subsídios, paga mais taxas moderedoras, paga mais imposto, trabalha mais horas, não precisará, não necessitará de um tempo para se fortalecer, para se cuidar, para cuidar da sua integridade psicológica? Será assim tanta treta o que digo? Estarei assim tão errada? Estarei assim tão piegas?

 

 

 

 

11 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D