Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Gostar de ti...

Hoje surgiu como tema de conversa algo interessante e que gostava de partilhar. Uma pessoa que conheço tem por hábito dizer de forma espontânea frases do género "gosto mesmo de vós" ou "são mesmo porreiros", "és uma pessoa maravilhosa" e outros  demais elogios, o estranho é que tenho notado que estes elogios deixam as pessoas desconfortáveis, pouco à vontade, mas este facto não está relacionado com timidez parece-me estar mais relacionado com o facto de não estarmos preparados/habituados a ouvir deste elogios sinceros, rasgados e totalmente espontâneos!

 

Qual a razão de estamos mais habituados a ouvir frases -  "deverias fazer isto assim" ou "acho que isto não está bem", ou ainda  "consegues fazer melhor". Esta última frase pode até ser positiva, mas a realidade é que poderia ser dita " Está mesmo bom, mas tu és tão boa nisso que acho que ainda consegues fazer melhor, dado as tuas qualidades que gosto tanto". Ok! A frase é maior, demora mais tempo a ser dita, mas as palavras não estão em crise e existem para ser usadas, porque não usá-las para fazer os outros sentirem-se melhor? Sentirem que gostamos deles apesar, e sobretudo, com defeitos! Assertividade ou simplesmente demonstrar ao outro que gostamos daquilo que ele faz mesmo que não esteja perfeito!

 

Porque é que não dizemos mais vezes o quanto gostamos da companhia das pessoas?

Está bem! Podem vir dizer-me que se almoçamos mais com uma/um colega do que com outro é porque gostamos dele/a, mas quantas vezes lhe dizemos "gosto de ti", "gosto da tua companhia" ou "és mesmo porreira/o!". Não estou a falar em relações amorosas estou a falar de relações profissionais, de amizades, e de outras mais que possam existir.

 

Se antigamente os pais não diziam aos filhos "Gosto de ti! Amo-te", como me acontecia, agora dizemos o que nos vai na alma mais facilmente, na intimidade, mas porquê não estender essa espontaneidade, esse gostar para com outras pessoas? Porque é que a grande generalidade se sente mal com tais manifestações?

 

Uma colega de trabalho, que veio do Brasil com o marido viver para Portugal, comentou comigo que nos achava "muito fechados", pessoas nada dadas a beijos a abraços, nada dadas a manifestações carinhosas. A verdade é que os Brasileiros são mais carinhosos.

 

Agora faço uma proposta, experimentem por um dia serem mais espontâneos e mais afectuosos e vejam como a grande maioria das pessoas não lida bem, com essas manifestações. Aliás a grande maioria não irá ser capaz de fazer o que proponho.

 

O meu tento anda nas psicologias de almanaque! Mas serão assim tanto de almanaque?

15 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D