Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

A saga do comprimido...

Já desisto de falar da minha ausência neste bairro virtual que em tempo oportuno perceberão o seu porquê. Muitos são os temas que no dia de hoje me apeteceria falar mas fico-me pela descrição de um episódio do meu quotidiano.

 

Fiquem a saber que além do 4 patas canino agora tenho cá por casa um 4 patas felino. Como este felino veio cá parar é uma questão que bem daria outro post, mas para resumir a questão, digamos que a minha família daria uma perfeita associação de recolha de animais. E eu não resisti a um gato velhinho, com insuficiência renal e há um mês numa box do Veterinário à espera de dono. E o bichano deve a sua vida à sua querida "madrinha" que o recolheu, tratou e tentou por tudo arranjar um dono, mas ficou comigo que sou o que lhe sobrou...

 

Bem... eu sei que o felino está cá por casa apesar de pouco lhe colocar a vista em cima. Anda em retiro espiritual...

A comida desaparece, a água é bebida e o seu processamento final é encontrado numa caixa de areia própria para o efeito. Agora o Menino (sim é assim que se chama)?

Não aparece! Cá por casa é conhecido como o "fantasma do piano", já que o seu esconderijo é um órgão para os músicos da casa se entreterem. Tal como se pode ver na foto acima, ele conseguiu fazer ali a sua casinha "quase" perfeita.

 

E não existiria qualquer inconveniente nisso não fosse o facto de eu necessitar de lhe admistrar um comprimido, já que o Menino resolveu processar o nº 2 de forma pouco sólida... Só a mim!!! E a ele! Que parece que tudo lhe acontece!

 

Ora bem, há uns tempos publiquei por aqui "Como dar comprimido a um gato?" . No entanto, eu praticamente não consigo colocar a minha santa vista em cima do bichano quanto mais segurá-lo para lhe enfiar um comprimido pela goela!! Comprimido esse que não pode ser triturado e ao que parece tem um gostinho intragável. Há então que pensar em como concluir a tarefa, o que penseu eu, e erradamente, não deve ser difícil já que é (ha ha ha) 1/4 de comprimido. Vamos lá dividir isto por fases:

 

1- Parti o comprimido e misturei numa ração húmida que ele adora. Já deu para ver que a gula é uma das sua características. O que ele fez?

Lambeu tudo à volta do 1/4 do comprimido e mandou-me dar um curva com o que não quis e que devia querer.

 

2- Falei com a Vet do meu cão, para me ajudar no problema com o gato, e averiguar se não existirá outro medicamento mais palatável para o Menino esquisito fantasma felino. E não. Não existe. Tem mesmo que ser aquele. O que me leva à seguinte tentativa. A simpática Dr.ª forneceu-me uma pasta numa seringa para eu envolver o dito 1/4 de comprimido e assim o Bichano o engolir...

 

3- Pois sim... pasta colocada no comprido, este envolto em comidinha húmida saborosa, tudo lambido e comprimido intocável!!!!

 

Irra!!! Que isto agora é ponto de honra!!!

 

4- Envolver 1/4 de comprimido em queijinho "Vaca Que Ri" (agora sei de que ri a vaca. Ri das minhas figuras...), outra sugestão de Veterinária, mas mais uma vez tudo lambido e nada de o comprimido seguir  a via pretendida...

 

Ai a minha vida...

 

5- Abrir outra saqueta de ração húmida, com pedaços de qualquer coisa, e meter num dos pedaços o raio do 1/4 do comprimido. E esperar que o catano do gato o engula! O tanas!!! Hoje enche a barriga de comida mas nada de enfiar o bendito do desgraçado do comprimido!!!

 

6- Em desespero de causa ligamos o órgão tocamos uma ou duas teclas para afugentar o Menino da toca e assim poder agarrá-lo e enfiar-lhe goela abaixo o 1/4 da coisa. Mas parece que o sacaninha nasceu para a música! Qual quê de sair da casinha!

 

Ai a minha vida... Pensa Maria... pensa! Afinal não será um Menino quadrúpede que te levará a melhor!

 

7- Partir o 1/4 de comprido em dois, portanto, tenho duas metades 1/8 cada, pego nas desgraçadas enfio-as numas bolinhas de ração húmida aplico outra mistela húmida por cima e rezo...

 

Iupiiii!!!!!! O espinhoso do gato engoliu a treta do comprimido!!

 

Agora, só para animar, diz-me a minha metade,

 

"Vamos ver se essa tua tentativa resulta amanhã"

 

{#emotions_dlg.barf}

 

 

Adenda(16-9-2014): Iupiii! Hoje voltou a resultar

 

 

E talvez se comece assim...

Pois, já sei, não dou as letras por aqui faz algum tempo. Me perdoe quem espera de mim alguma palavra. No entanto, tenho cá para os meus botões que foi um merecido descanso, da minha pessoa, que todos tiveram.

 

Decido quebrar o silêncio embora a vontade, algumas vezes, seja a de quebrar a cara de algumas pessoas. Não que eu seja uma pessoa dada a violência, mas que dá vontade de esbofetear alguns espécimes ditos humanos, lá isso dá.

 

Já não é a primeira vez que se fala em atitudes racistas dentro de campos de futebol. Embora essas, infelizmente, ainda abundem por esse mundo, tão azulzinho, afora. Parece que existem espécimes que se julgam os melhores só porque têm uma cor diferente. Já o amigo Jorge, aqui do planeta Blogosfera, falou por diversas vezes no assunto dizendo que achava que se deveriam tomar medidas contra estas atitudes.

 

Pois bem, parece que desta vez se tomou uma medida. Uma senhora. Perdão eu disse senhora? Não, não pode ser!! Eu corrijo! Uma amostra de pessoa que se comporta como animal, resolveu fazer macadas na assistência aquando de um jogo de futebol e dirigindo as suas tristes habilidades ao jogador Mamadou Koné. Teve azar, que era precisamente uma funcionária do Barcelona que fez o favor a si próprio de a mandar macacaquear na casa dela. Despediu-a! E eu digo. Assim  se começa! Se, de facto, se começarem com atitudes a sério para reprimir estas bestas, pode ser que se inicie o caminho da para uma limpeza de más ideias e más figuras!

 

Dá para tentar classificar esta imagem?

View image on Twitter

 

 

Pela positiva!

Cão Elástico (esteve na nave dos 4 fantásticos, ele é o 5º!)

 

 

Outra vez cães?

 

Sim, outra vez. Sempre serão melhor assunto que falar de Coelhos.

 

Este fim de semana fui a umas Jornadas de Comportamento e Treino de cães. Não eram novidade para mim os conceitos ali abordados mas pude tirar algumas dúvidas com uma treinadora Portuguesa com muita experiência e que é fervorosa adepta do Treino Positivo. A Claudia Estanislau.

 

Muitos ainda treinam, ou dão a treinar, à base do castigo. Nada mais errado!! É o método mais curto para perdermos a confiança do cão e para lhes criarmos danos psicológicos, muitas vezes, irreversíveis! Se bem se lembram eles sentem. Apesar de não serem pessoas.

 

Uma das técnicas usadas é o que os treinadores designam por "luring" ou em português (mais coisa, menos menos coisa) - engodo-

Podemos também usar o "clicker"  que emite um  som, um clic, que indica o comportamento que desejamos captar.

 

Pretende-se colocar o cão, ou animal, porque dá para outros animais, tais como: baleias, focas, leões marinhos, golfinhos, ratos, ... na posição que se pretende com a ajuda da recompensa e do clicker. Não sei se dá para Coelhos. Mas ao que parece são animaisinhos impossíveis de treinar!

 

Dando o como exemplo o "senta", o que se  faz é colocar uma recompensa numa mão e o "clicker" na outra, erguemos a mão da recompensa por cima da cabeça do cão, não muito alta, de modo a que ele a possa cheirar, ao levantar a cabeça automaticamente se senta e nós clicamos mal ele adopte a posição de sentado, e assim ensinamos o senta. Simples e eficaz! Associamos a este comportamento desejado um gesto e um comando verbal, que pode ser o "senta" (mas pode ser outra, embora esta seja a mais óbvia), enfatisando as sílabas "Sen-ta". Nada mais que o princípio do reflexo condicionado.

 

Claro que eu estou a dourar a pílula. Primeiro temos que "carregar o clicker", que nada mais é do que associar aquele som a uma recompensa. Depois é necessário saber resolver problemas, pois nem sempre eles se sentam lindos e direitinhos mal colocamos a recompensa acima do focinho. Também há que saber ler os sinais corporais do cão. Mas garanto que é um método eficaz e muito melhor que o reforço negativo.

 

Além disso, é óptimo vermos o nosso cão a evoluir com o que lhe ensinamos e a nossa ligação com ele torna-se única. Ele aprende a "ler-nos" e nós a eles.

 

Deixo dois vídeos. Um que ensina um cão a fazer o "dá cá mais cinco" ou "choca aqui".

 

E outro que mostra que este método pode ser usado com outros animais.

 

Tudo poderia ser assim

Acho que vou manter no meu blogue o tema "animais", e mais uma vez desenganem-se não vou falar de política nem de políticos. Eu sei, ando a fugir ao vossos pensamentos ;)


Vou é falar mesmo de cães, sim, outra vez...


Hoje no Jornal Público pode ler-se que se prevê multas que podem chegar aos 60 mil euros, no caso de pessoas colectivas, e cinco mil euros, no caso de pessoas singulares caso existam "descuidos" com cães perigosos em espaços públicos. Estas coimas serão aumentadas em 30% em relação ao que vigorava até então. Podem inclusive ser aplicadas ao dono que não cumpra dos "deveres de cuidado ou vigilância", e também caso o animal perigue de alguma forma o corpo ou a saúde de uma pessoa.


Entre as várias situações que serão passíveis punição inclui-se a falta de licença, identificação, registo do animal, falta de seguro de responsabilidade civil, a circulação do animal em lugares públicos ou partes comuns de prédios sem estar acompanhado por maiores de 16 anos e, uma questão deveras importante, a falta de treino do cão entre os seis e os 12 meses, questão que eu não sei como conseguirá ser vigiada mas que ficará a cargo da PSP e da GNR.


Defensora dos animais concordo com esta nova legislação, acredito que, apesar de os donos influenciarem o comportamento canino e que algumas pessoas não deveriam ter cães, existem raças potencialmente perigosas. A genética tem um papel muito importante e existem medidas a serem tomadas para que não aconteçam acidentes no futuro, para que não tenham que se eutanasiar cães porque os donos são uns irresponsáveis!


Mas algumas questões me surgem...


A lei fala em coimas para pessoas que possuam animais que possam por em perigo a saúde de uma pessoa. Ora, e então o que fazer quando aqueles cães em forma de peluche não param de ladrar?

O que fazer quando queremos dormir e o cão da vizinha não se cala? E quando a vizinha se está borrifando porque não pára em casa? Isso não é por em perigo a nossa saúde? A nossa saúde mental?

O que fazer dos canitos do tamanho de uma pulga e que parecem possuídos por uma fera do tamanho de um leão? E nos atacam só porque lhes apetece coçar as gengivas! Isto não põe em perigo a nossa saúde?


Esses também são considerados raças perigosas?

Não deveríamos falar antes em cães perigosos, ou cães malucos, ou cães que não respondem ao perfil pretendido para uma convivência saudável porque os donos não sabe ser donos?


Hummm... acho que deveríamos incluir na lei "humanos potencialmente perigosos e sem direito a possuírem animais"


E pensar que a convivência entre todos poderia ser assim...





Já foi feito alguma coisa agora falta tentar fazer o resto para que a nossa convivência seja melhor!

Companheiros, amigos, fieis...

Não! Não vou falar de maridos nem de esposas,... ;)

 

Não foi há muito tempo que existiu uma agitação devido a um cão que tinha morto uma criança, também me pronunciei sobre esse assunto aqui no blogue.

 

Sempre que acontece algo desse género paira sempre a dúvida sobre estes animais, nossos companheiros fieis e que nos amam e são mais tolerantes connosco do que nós com eles. Como é óbvio existem alguns espécimes caninos que fogem a este perfil, mas quanto a isso existem mais humanos a fugir a um perfil considerado "amigável".

 

Nas minhas pesquisas encontrei um vídeo sobre a devoção e o cuidado que os cães podem ter com as crianças. Vale a pena assisti-lo, apesar de algo longo, e verificar que de facto eles podem ser espectaculares. Talvez não seja de propósito que o cão do vídeo seja um Labrador, uma das raças mais populares pela sua amabilidade e doçura. São muito requisitados para ajudar pessoas com alguma incapacidade, física e/ou cognitiva e há pouco tempo li uma reportagem que falava que estavam a requisitá-los para ajudar pessoas com Alzheimer.

 

Eu tive um Labrador, não sendo o meu primeiro cão, o sei é que ele foi o animal mais doce, meigo, atento e companheiro que já encontrei e adorava o meu filho, aliás todas as crianças o faziam derreter.

 

Não é difícil tentar perceber porque é que eu gosto tanto de cães. Assim, destes que sabem ser companheiros.

Quem apareceu?

Gosto de muito de animais e eles devem ter um sentido que lhes indica que são bem vindos por aqui.

No início da semana deparei com uma visita nas escadas de casa, à primeira vista parecia uma brincadeira do meu filhote para me testar os nervos, mas depois de um olhar mais atento pude constatar que era uma visita a sério e não era de plástico!

O seu olhar atento e pachorrento captou-me a atenção.

 

O que fazer? Colocar o bicharoco no pátio, ou deixá-lo estar.

Hummm... lá fora está frio, estamos em Trás-os-Montes e não é agradável colocar um bichinho destes ao frio. Olha deixa-o estar e seja o que for!

E por ali esteve, foi mudando de local mas manteve-se nas escadas e deixava que a observassem e olhava para nós também de forma curiosa.

 

Ontem resolveu aperecer pela sala para assistir TV connosco e por aqui tem estado! Ora vai para debaixo de um móvel ou de outro, ora dá o ar da sua graça! O incrível é que adora ser observada e até deixa que lhe tirem fotos!

Aqui deixo uma.

Foto retirada com telemóvel (aumentada, na realidade mede mais ou menos 5 cm contando com a cauda)

 

Já lhe demos nome, chama-se "Tixa"! E por aqui andará enquanto quiser. O chato é que temos que ver onde pomos os pés!

 

Este jovem réptil é uma Osga. Muito menosprezada e perseguida pelas pessoas que não sabem ter "sangue frio" e não reagir à pancada com um pequeno e inofensivo lagartinho!

 

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, as osgas não são venenosas e até são muito benéficas pois alimentam-se de vários insectos, tais moscas, traças, mosquitos e ao que parece até baratas! E só por isso já ganharam o meu respeito.

 

As osgas são vítimas de crenças erradas, difíceis de explicar. Apesar de serem um potente insecticida natural, ajudando no controle de pragas, só o nome deste pequeno réptil despoleta logo uma série de ódios e medos, com cara de nojo a acompanhar! Digam lá que quando viram a foto não fizeram?

-UGgHHH!! E quem me conhece neste momento deve estar a pensar em ligar-me já de seguida a perguntar se eu endoideci de vez!

 

Pois, eis que dou uma novidade, elas não são venenosas, não provocam, doenças de pele e não são peçonhentas (não são, não são, não são!). Mas também acho que ninguém pensa andar a esfregar-se nelas!!! Nem nas paredes, que é onde elas gostam de estar.

 

Elas parecem, como podem confirmar na foto, um crocodilo miniatura, mas não fazem mesmo mal a ninguém. Aliás, na minha investigação a sua população está com algum risco já que perduram os mitos sobre elas, e estas desgraçadas não tem culpa de não ter nascido com um aspecto mais agradável para o ser humano que se arma de chinelo e vassoura pronto a atacá-la.

 

Aqui deixo algumas curiosidades sobre este bichinho que parece ter apanhado uma cápsula do tempo vindo da época dos Dinossauros.

 

Em Portugal existem duas espécie: A osga-comum (Tarentola Mauritanica), que parece ser a que está na minha casa, e a osga-turca (Hemidactylus- Turcicus). O que as distingue, além, de outras características, e isto em grosso modo, a osga- comum é mais clara e maior a osga Turca é mais encontrada no Algarve e Alentejo, talvez goste de andar mais por ali. Mas não é por ser mais quente, uma vez que a osga-comum habita o sul da Europa, várias ilhas mediterrâneas e até o Norte de África!! 

 

A sua reprodução faz-se de março a julho e em cada postura só põem 2 ovos, debaixo de pedras ou fendas, o interessante é que várias fêmeas podem depositar os os ovos no mesmo local!

 

A sua coloração pode variar consoante o seu estado fisiológico e estado de espírito. O que me deixa uma dúvida, será que ficam vermelhas quando estão irritadas?

 

Emitem sons bem audíveis quando são capturadas, e esta é a sua forma de comunicar, mesmo entre as das mesma espécie. Ontem pudemos ouvir esse som, já que a um toque ela emitiu um - Tsss , quase um sibilar

 

Se se sentrem ameaçadas soltam a cauda, como qualquer lagarto que se preze! Mas volta a crescer.

 

Geralmente hibernam de novembro, dezembro até março. No entanto, nas regiões mais quentes da Península Ibérica podem observar-se indivíduos mesmo durante o inverno.

 

Ao longo do verão apresentam actividade  nocturna, e encontra-se perto da luz, que é para onde a sua comida é atraída! Aliás podem comer até 20 mosquitos por hora.

 

Em dias mais frescos e no outono é posível vê-las duranto o dia. Talvez por isso a nossa tenha dado o ar da sua graça.

 

Agora da próxima vez que alguém vir uma osga, não grite, não corra a buscar uma arma mortífera e teste a sua habilidade para a apanhar viva e colocá-la em outro local, isto se não gostar do sítio onde ela está. Mas tentem lembrar, não há melhor e insecticida mais natural que este!!

 

 

Mostrando a liberdade!

Hoje decidi passar outro dia sem falar nas animalices que vão pelo nosso país, dei a volta pelo Jornal, e voltei a fechar bem os olhos tentando desta forma esquecer o que vi, e amanhã... amanhã é um novo dia e certamente alguém fará o sol brilhar! Eu até ajudarei a soprar algumas das nuvens. Mas hoje quero falar de outras animalices. Em alguém que também ajudou a fazer o sol brilhar.

Aos pequenos Beagles, que aparecem no vídeo, alguém lhes mostrou que existe o sol, a relva e a liberdade.

A vida destes cães não era nada mais do que passar o dia encafifados em gaiolas, sem nunca terem saído daquele espaço exíguo! Eram usados como cobaias num laboratório em Espanha. Mas esse laboratório faliu e esses animais iriam ser sacrificados. A organização ARME (Educação da Mídia para o Resgate de Animais) com  Shannon Keith como fundadora do Projeto "Liberdade para os Beagles" (Beagle Freedom Project) tiveram um tento forte e quiseram salvar esses cachorritos adoráveis.

Os Cães de raça Beagle costumam ser usados para testes na indústria farmacêutica por causa de sua natureza dócil. Este "salvamento" já data de 8 de Junho de 2011, mas acho que não está assim tão fora de época para ser visionado. Até porque hoje é um dia em que só penso em libertação... Vá-se lá saber porquê...
O meu tento agradece a quem me enviou este vídeo, depois de ter lido o meu post anterior,  para que eu pudesse pesquisar a notícia e trazê-lo até ao blogue como mais uma notícia positiva, pelo menos para os Beagles. Ver um ser pisar a relva e ficar espantado não deixa de ser comovente!
Obrigada {#emotions_dlg.redflower}

A vaidade tem um preço? Qual é?

 Imagem retirada daqui

 

 

Devemos muito aos animais, incluindo algum avanço da medicina com base em experiência realizadas em animais. E muito existiria para discutir sobre isso, mas este post tem outro intuito que não a medicina, mas sim o da vaidade.

 

Todos somos vaidosos, incluindo os homens, agora com a moda de lhes chamarem "metro", e muitos compram os seus produtos de beleza sem se preocuparem se estes foram ou não testados em animais. Os meus produtos de beleza resumem-se a rimel e lápis com cores para olhos(que quase nem ponho), cremes hidratantes para corpo e face, usados diariamente, e alguns vernizes, que agora depois dos 40 me deu para pintar as unhas...

 

Mas tenho cuidado em não comprar produtos em que usem animais para testes, e normalmente isso costuma vir indicado no produto.

 

Hoje ao passar os olhos pelas notícias, além da "crise" noticiosa habitual, chamou-me a atenção, no Jornal Sol, uma notícia que falava sobre o trabalho de investigação levado a cabo por três investigadores da Universidade de Coimbra (UC) que desenvolveram um teste que permite avaliar o potencial alergénico cutâneo e deste modo «reduzir significativamente» as experiências com animais na indústria de cosméticos. E reduzir significativamente já é um caminho!!

 

O teste é denominado Sensitiser Predictor e visa evitar o sacrifício de animais em laboratório. Tendo sido "distinguido com vários prémios nacionais e internacionais", segundo uma nota da assessoria de imprensa da Reitoria da Universidade de Coimbra.

 

O meu tento acha que são estes pequenos pormenores que vão fazendo a diferença para o caminhar até um mundo melhor.

E não devemos esquecer que a vaidade tem um preço muitas vezes escondido!

 

Conversa de caca.

Imagem retirada daqui

 

 

Ok! se calhar o título não é do melhor que pode existir, mas não encontrei outro para o post que vou escrever, uma vez que pretendo incidir sobre caca mesmo!

 

Vai decorrer aqui para o Norte, numa cidadezita Transmontana, uma série de sessões que pretendem sensibilizar os donos de animais a apanharem o cócozito dos seus amiguitos!

 

Ora, eu tive cão durante 13 anos e não precisei que me sensibilizassem para esse aspecto. Aliás acho que até o meu cão estava sensibilizado já que era seu costume  fazer o servicito orgânico em locais recônditos e fáceis de apanhar, até nisso ele era simplesmente o melhor.

 

Mas por causa de donos, como direi, com falta de civismo, com falta de higiene, e com a ideia de - "isto é tudo meu, e quem se está a cagar (palavra menos digna, mas que faz parte do pensamento de muitos) para todos sou eu!", devido a esses donos, todos os que têm cães são olhados de lado e vistos à partida como pessoas pouco cívicas! E além disso existem muitos locais onde os cães estão proibidos de ir, muito  também devido a estes comportamentos de caca!

 

Não acho justo! E não compreendo qual a dificuldade de apanhar um cocó, e garanto que o montante de um Labrador não é nada desprezível! Existem no mercado imensas pás para todos os gostos e feitios! Eu tenho duas! Uma parecida com uma bengala e outra que cabe num bolso. Não são caras,  dão muitíssimo jeito e com um saquito incorporado não há nenhum risco de tocar na caca.

 

Agora a sério, digam-me lá qual a dificuldade a ver se o meu tento percebe?

 

Já não posso é falar da conversa de caca que muitos têm, e nos locais mais incríveis, em frente a câmaras de televisão, no trabalho, na mercearia, no parlamento,... essas sim, é que corremos o risco de nos virem a tocar! Tal como este post....

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub