Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

A viagem

carruagem.jpg

 

Olhava pela janela, o único lugar onde os seus olhos podiam vaguear sem sentir que estava prisioneira. Porquê? Porque é que seus pais lhe tinham feito isto? Que fizera ela de errado para que a mandassem embora?

Sua mãe tinha-lhe explicado com a voz estranha, como quando ela tentava falar e o que lhe apetecia era chorar. E lembrar-se dessa voz da mãe deixava-a ainda mais confusa…

- Minha querida Isabel seu pai acha-a muito importante! E a menina é o nosso maior valor. Não se esqueça do seu poder! Não se esqueça de que é nossa filha e honre-nos.

Abraçou-a de seguida, e Isabel sentiu o seu pescoço a humedecer com as lágrimas da mãe.

Seu pai teve uma despedida fria, tal como a distância que sempre os separou. Os irmãos quase nem os viu, mantiveram as suas rotinas e as aulas dadas pelos professores que o pai tinha contratado. A única que estava inconsolável era a sua “ Tê”, a ama que sempre cuidara dela, e que pedia que a levassem também. Mas disseram-lhe que não podia ir, já existia alguém à sua espera para se responsabilizar pela sua educação. Despedir-se dela foi o que mais lhe custara até hoje! E a partir daí começou a sentir aquele peso na barriga, parecia que algo andava às voltas dentro dela a querer sair sem poder.


Tudo por culpa “dele”!

E “ele” estava sentado à sua frente a olhá-la com desprezo. Não gostava dela?

Pois que lhe importava! Ela também não queria nada com ele. Sempre que o seu olhar cruzava com aquela cara de barba rala dá-va-lhe vontade de lhe colocar a língua de fora em sinal de desprezo! E tê-lo-ia feito não fora ter prometido à Tê que não o voltaria a mostrar essa "falta de educação"! Tal como ela lhe chamara, desde a última vez que isso lhe trouxe um grande ralhete por parte de sua mãe, na altura em que tiveram por visita uma prima com a mania que tudo tinha que ser dela.

Mas porque é que o pai fizera isso?

Disse-lhe que ele seria o seu marido? Que tinha selado um compromisso, e que estes são para respeitar!

Queria lá saber de marido e de compromissos selados! Ela queria era saber da sua boneca! Pelo menos isso o pai não lhe tirara!

 

---

Afonso acompanhara os pais, pois respeitava, tinha que respeitar, as decisões que eram tomadas pelo patriarca como bom, e obediente filho, mas ter que olhar para aquela pirralha de 10 anos, sentada à sua frente, de olhos esbugalhados e ar de gazela assustada tiravam-no do sério!

Ia casar com aquilo!? Como esperava seu pai que fosse casar com aquela amostra de gente abraçada a uma boneca como se só aquilo existisse no mundo!?

Cheia de sardas, tranças meias desfeitas, nariz pequeno e arrebitado, magra de dar dó! Irra! Iria de certeza ser feia de fugir! Pelo menos a casa de Madame Bounivier existia para lhe dar consolo nas horas menos boas.

Restava-lhe a esperança da viagem prometida! Iria frequentar estudos na Universidade em Madrid e tinha o desejo secreto de seguir para Inglaterra. Durante uns anos estaria longe do empecilho que acabara de entrar na sua vida! E até isso fora seu pai a decidir! Com a sua característica bonomia, não se fazia supor um homem que se sabia impor! E mesmo que as escolhas inicialmente lhe parecessem as piores ele sabia muito bem como lhe dourar a pílula! Até nisso!

Ohhh! Só agora passaram a fronteira e já estavam em terreno Espanhol. Finalmente! Teriam que pernoitar numa estalagem onde já os esperavam e aí teria oportunidade de dar-se à liberdade de não ter por companhia a pirralha sua noiva!

Continua….

Reservados direitos de autor



16 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D