Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Identidades

anel_casamento.jpg

 

Ontem li o resultado de um inquérito no J.Público e a opinião de investigadores na área de socilologoa que me fez interrogar interiormente

Mas porque é que eu adoptei o nome do meu marido?

 

Segundo as opinião desses investigadores, e de alguma parte da população, as mulheres que adoptam o nome dos maridos serão mais carinhosas, menos inteligentes, menos determinadas, submissas, menos ambicionas menos competentes e mais emotivas.

 

É muita conclusão só para aquisição de um novo apelido!

E o meu marido ficou a saber que eu sou submissa, coitado ele que nunca tinha percebido tal!

E eu fiquei a saber que não sou determinada, portanto, malta, parem de dizer que o sou!

Não sou ambiciosa... Hummm... nada mais longe da verdade.

 

Talvez a aquisição do apelido constatasse apenas que sou, de facto, emotiva e fiquei, não o era, mais carinhosa.

 

Porventura acrescentar o apelido do futuro marido seja uma questão cultural e fazê-mo-lo sem pensar muito no que significa. Há uns tempos respresentaria a subjugação simbólica (ou nem tanto) ao masculino. Atualmente, pelo menos na nossa cultura, tenho a sensação que muitas mulheres nem refletem nisso. Quando a mim assim foi. Nem me passou pela cabeça que pudesse espelhar tal ideia!

 

Digamos que para mim foi mais um renovar de um nome, e um símbolo de uma nova vida, e   apelido diferente era o início. Foi como um cortar de amarras da subjugação que os meus pais me impunham e com a mudança de nome eu deixei de “lhes” pertencer. Não passando necessariamente a pertencer a outra pessoa, até porque, felizmente,  a relação não é propriamente virada para esses moldes de subjugações. 

 

Por isso, não me identifico com as conclusões tiradas embora admita que possam significar um certo reflexo da realidade,  e mais uma, vez posso ser a exceção dessa mesma realidade. Mas sinto que não devo estar só nessa mesma exceção.

 

Agora porei a questão ao contrário.

E os homens, certamente uma minoria,  que adotam o apelido da esposa? São como?

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D