Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Mais um feriado?

Hoje ao almoço o meu filhote falava do 1º de Maio (sim, outro com letra maiúscula) com um certo desprendimento. Como eu e o pai  tentávamos fazer-lhe ver que não era mais um simples feriado e lhe prometemos uma explicação, esta surge aqui. Para ti filhote e para os teus filhotes daqui a uns anos.

 

Corre o ano de 1886, são 4 da manhã meus filhos ainda dormem, encaminho-me para cada um deles e sopro-lhes um beijo na testa, não os quero acordar. Os mais velhos, um já com 13 e outro com 11, terão que se levantar daqui a uma hora para seguirem para o seu trabalho na fábrica de algodão. Bendita a hora em que lhe conseguimos aquele trabalho, pelo menos assim já ajudam no pão à mesa, embora me entristeça que percam assim a meninice. Mas naquela fábrica ainda aceitam crianças a trabalhar. E como ainda parecem crianças assim a dormir....

Os mais novos, o meu caracóis de 2 anos e Rita, a única menina, de 7 meses ainda ficam ao cuidado da mãe que lava, costura umas roupas para fora, cuida da casa e tem a sorte de ver as crianças crescerem. Luto para que um dia os meus filhos possam ver os seus filhos crescerem. Luto para que um dia os meus filhos não precisem de trabalhar e possam ir à Escola. Luto... e não lutarei sozinho.

 

Saio com o coração nas mãos e aperto nelas o cartaz, um que tirei do monte dos muitos que estivemos a fazer ontem até às tantas da noite. Nele está escrito uma das razões da minha luta. Os meus filhos e os filhos do futuro.

 

Cheguei a uma altura em que não distingo o dia da noite. Não sei para que vivo. Vivo para comer, dormir. Dormir pouco. E trabalhar. Trabalhar muito. Trabalho 16 horas por dia! Em meses mais apertados chego às 17 horas por dia! Saio todos os dias às 4 da manhã para entrar no trabalho às 5:30, e só a ela regresso por volta das 23:30 ou 00:30. Sem vontade de mais nada que não seja olhar para meus filhos e ganhar forças para ter coragem de me deitar e acordar no dia seguinte. Sim. Porque a minha covardia secreta seria a de adormecer para sempre...

 

Mas hoje. Hoje tudo mudará, acalento essa esperança. Hoje eles vão perceber que não pode ser assim! Afinal também somos gente! Nas nossa veias também corre sangue e bate um coração. Sei isso. Sinto isso!

 

Encontro meus colegas de profissão, mais serralheiros da mesma fábrica e muitos mais rostos desconhecidos. Hoje tudo mudará! E isso não está escrito nos cartazes mas nas nossas faces! Está impresso também na nossa alma. Somos agora tantos. Ouvi dizer que cerca de 500 mil trabalhadores enchem as ruas desta enorme Chicago numa manifestação pacífica. Não queremos mal a ninguém. Apenas queremos sentir-nos mais gente. Apenas pedimos o  que achamos justo. Gritámos para que nos ouçam. Reivindicamos a redução da jornada para oito horas de trabalho. Será pedir muito? Eu acho que não. sinto que não! Mas também sinto este meu coração que bate angustiado sem saber porquê! Tudo está calmo apesar dos gritos e palavras de ordem.

 

Surgem gritos ao longe. não percebo que se passa! De repente vejo a polícia a tentar calar-nos. Como podem? Como ousam? Ó tristes que não sabem que aqui bate um coração!

 

Querem calar-me? Não querem que lute pelos meus filhos? Mas é por eles, pelos meus, e pelos vossos filhos, que aqui grito! Que aqui luto! Que aqui digo que sou um homem como os demais!

 

Ó infames que não sabem que aqui deixará de bater mais um coração. O céu foge-me... as ideias e a luta não fugirão eu sei que não. Porque eu... eu também tenho um coração... embora já não bata.

 

Mais corações deixarão de bater, mas hão-de perceber que esta é uma luta justa, por mim, por ti, por eles...

 

Três anos volvidos, em 1889,  fala-se por aqui que o Congresso Operário Internacional, reunido em Paris, decretou o 1º de Maio, como o Dia Internacional dos Trabalhadores, um dia de luto e de luta. Meu pai morreu nessa luta! Ingloriamente meu pai morreu nessa luta... Sei que um dia, direi isto com glória, uma dia seu coração voltará a bater, esteja onde estiver, e sei que esse dia não tardará. Minha mãe, que perdeu o seu olhar já há muito naufragado, não acredita, mas que sabem as mulheres?

 

Esse dia chegou meu pai! Estamos em 1890. Passaram 4 anos! Mas finalmente os nossos corações têm direito a bater! Os trabalhadores americanos conquistaram a jornada de trabalho de oito horas. Um dia meu querido pai, daqui a muitos anos, todos os trabalhadores lembrar-se-ão que morrestes por nós. Morrestes por mim, por nós e por eles! Para que todos saibam que merecemos ser Homens! Podemos lutar. Merecemos reivindicar. Afinal meu querido pai, nós somos o "trabalhador"! A massa operária, como lhe chamam, e as massas têm mais poder do que aquilo que lhes tentam fazer acreditar!

 

 

Lina Maria

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D