Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Para quando uma acção?

Mais uma vez é notícia o ataque realizado por cães, desta vez a uma idosa (sénior) de 85 anos.

 

Lendo a notícia tenho algumas questões.

 

Os cães foram recolhidos para um canil, e o dono? Só foi identificado? O que lhe vão fazer?

Ao que parece a GNR já tinha sido notificada acerca dos cães, embora para situações menos graves. Estavam à espera de quê para agir?

Ah! Já sei. Que alguém fosse mordido à séria.

 

Agora a raça dos cães.

Um PitBull,

 

A imagem é elucidativa. Cão possante, protetor, dominante, requer treino cuidado e um conhecimento da raça.

São considerados perigosos porquê?

Primeiro, desde há tempos que foram, e são, usados para lutas entre animais onde os fracos morrem os mais aguerridos ficam, e esses são usados para procriação.

Segundo, têm uma força descomunal e uma mordida tremenda! Há relatos que dizem que para soltar sua vítima necessitam de um pé de cabra!

Quem tem um exemplar desta raça e a trata como ela necessita, ou seja, exercício físico, treino canino adequado e estímulo, já que são verdadeiros cães de trabalho, referem que são excelentes cães e que adoram, e fazem tudo, pelo seu dono.

 

A outra raça referida na notícia é um Yorkshire,

 

  Dizem vocês. Isto? Isto atacou uma pessoa?

 

O que ele tem em comum com o Pitbull é que ambos são Terrier. Este canito é também muito protetor, aguerrido, dominante e também precisa de treino, claro. Não se deixem iludir pelo tamanho. O meu Labrador já teve que fugir de uns quantos!

Era originalmente usado para caçar ratos.

 

Então como é que um cão que é um nico da espécie se vê nesta confusão? Simples. Ambos têm o mesmo dono! Ambos precisam de treino e estímulo mental e de alguém que saiba o que tem nas mãos.

 

Como sede costume chega-se à conclusão de sempre, há pessoas que não podem ter cães. No máximo poderão ter uma pulga que é o mais aproximado ao cão que poderão possuir. Mas cães? Naaa

 

Há países onde é obrigatório a frequência de aulas com o treino básico canino, e anualmente terão de prestar uma provas. Aulas muitas vezes fornecidas pelas Autarquias locais ou a um preço módico. Mas no nosso país a Educação de pessoas está uma lástima quanto mais a dos cães...

Seja como for ou alguém coloca um travão a isto ou então estas notícias serão recorrentes e teremos mais discussões sobre se vai existir o abate ou não. Enquanto isto os humanos inconsequentes continuam a poder ter cães...

 

Imagens retiradas da net

Tudo poderia ser assim

Acho que vou manter no meu blogue o tema "animais", e mais uma vez desenganem-se não vou falar de política nem de políticos. Eu sei, ando a fugir ao vossos pensamentos ;)


Vou é falar mesmo de cães, sim, outra vez...


Hoje no Jornal Público pode ler-se que se prevê multas que podem chegar aos 60 mil euros, no caso de pessoas colectivas, e cinco mil euros, no caso de pessoas singulares caso existam "descuidos" com cães perigosos em espaços públicos. Estas coimas serão aumentadas em 30% em relação ao que vigorava até então. Podem inclusive ser aplicadas ao dono que não cumpra dos "deveres de cuidado ou vigilância", e também caso o animal perigue de alguma forma o corpo ou a saúde de uma pessoa.


Entre as várias situações que serão passíveis punição inclui-se a falta de licença, identificação, registo do animal, falta de seguro de responsabilidade civil, a circulação do animal em lugares públicos ou partes comuns de prédios sem estar acompanhado por maiores de 16 anos e, uma questão deveras importante, a falta de treino do cão entre os seis e os 12 meses, questão que eu não sei como conseguirá ser vigiada mas que ficará a cargo da PSP e da GNR.


Defensora dos animais concordo com esta nova legislação, acredito que, apesar de os donos influenciarem o comportamento canino e que algumas pessoas não deveriam ter cães, existem raças potencialmente perigosas. A genética tem um papel muito importante e existem medidas a serem tomadas para que não aconteçam acidentes no futuro, para que não tenham que se eutanasiar cães porque os donos são uns irresponsáveis!


Mas algumas questões me surgem...


A lei fala em coimas para pessoas que possuam animais que possam por em perigo a saúde de uma pessoa. Ora, e então o que fazer quando aqueles cães em forma de peluche não param de ladrar?

O que fazer quando queremos dormir e o cão da vizinha não se cala? E quando a vizinha se está borrifando porque não pára em casa? Isso não é por em perigo a nossa saúde? A nossa saúde mental?

O que fazer dos canitos do tamanho de uma pulga e que parecem possuídos por uma fera do tamanho de um leão? E nos atacam só porque lhes apetece coçar as gengivas! Isto não põe em perigo a nossa saúde?


Esses também são considerados raças perigosas?

Não deveríamos falar antes em cães perigosos, ou cães malucos, ou cães que não respondem ao perfil pretendido para uma convivência saudável porque os donos não sabe ser donos?


Hummm... acho que deveríamos incluir na lei "humanos potencialmente perigosos e sem direito a possuírem animais"


E pensar que a convivência entre todos poderia ser assim...





Já foi feito alguma coisa agora falta tentar fazer o resto para que a nossa convivência seja melhor!

Culpa dos donos ou dos cães?

Confesso que há alguns dias que não abria o Jornal, e era tão feliz...

 

Mas a verdade é que não posso ficar na ignorância sobre o que se passa ao meu redor muito tempo. Não é do meu espírito, algo que tenho que trabalhar, pois dava-me muito jeito e poupava-me a uma úlcera gástrica!

 

Abri hoje o Jornal, e de entre muitas notícias houve uma que me chamou logo a atenção, entre tantas outras que também contribuíram para a corrosão estomacal. Morreu mais uma criança mordida, atacada, por um cão "arraçado" de Pitbull, na passada terça -feira em Beja!

 

Não é segredo que adoro cães, e compreendo que muitos os adorem mas, e aqui um mas com letras maiúsculas, MAS, nem todos podem ter cão, e não tanto por uma questão de espaço, porque isso é muito relativo, mas porque nem todos têm a capacidade, conhecimentos e perfil para ter um cão! Não chega só gostar de cães, e isso é um facto incrivelmente importante e que muitos se esquecem.

 

Também é importante que não se adquira um cão por capricho ou por vaidade, um cão precisa de tempo para ser educado e sociabilizado, precisa que saibamos como funciona a sua mente e precisa sobretudo de alguém que saiba como educá-lo e no quese está a meter.

Não vão gostar do exemplo, mas mesmo assim arrisco, não educamos os nossos filhos quando são pequenos? Pois é. Os cães precisam de ser educados, sociabilizados, para que a convivência com o ser humano seja de harmonia, para que ambos possam desfrutar em pleno da companhia um do outro.

 

Muitos adquirem um cão por impulso, erro crasso! Ter um cão implica muita reflexão e algum processo de investigação, para no futuro evitar dissabores. E não falo só destes ataques, mas também daquelas cães insuportáveis que não se calam, daqueles que são os chefes em casa e os humanos que compartilham o espaço com eles são os seus servos e daqueles cães neuróticos que têm imensos problemas de comportamento.

 

Outro factor muito importante é a escolha da raça. Não que eu tenha alguma coisa contra rafeiros, já tive um, e gostava imenso dele, o certo é que as raças levam-nos, teoricamente, a saber de antemão quais as expectativas que devemos ter em relação ao cão. Mas nunca esquecendo que um cão precisa de ser educado, precisa de alguém que saiba como lidar com ele, e se esse alguém não sabe que peça ajuda.

 

Eu tive um Labrador, o meu quinto cão, o único que coabitou comigo, que viveu dentro de casa e que desfrutava do espaço familiar. Os outros tive-os enquanto vivia com meus pais e estavam sempre fora no quintal. Mas um Labrador é definitivamente um cão de família e ao contrário de que possam pensar ele precisa mais das pessoas do que de um quintal, ele adora companhia humana. Mas mesmo um Labrador, que tem a fama de ser o melhor cão de família, um dos cães considerados dos mais inteligentes, mesmo esse, tem que ser educado e deve ter alguém que o entenda, senão torna-se insuportável. E eu já vi alguns Labradores que eram verdadeiros "tanques de guerra"! Não que fossem agressivos, acho que isso não é fácil para um cão desta raça, mas tinham comportamentos destrutivos, eram imparáveis e alguns verdadeiros alucinados!! E não nos esqueçamos, eles são grandes e têm tanta força quanto doçura! Temos é que saber ensiná-los a "medir" a sua imensa força e energia. É preciso tempo para isso, tempo e muita dedicação, pelo menos no seu primeiro ano de vida, e depois é importante não esquecer as regras básicas e ir reforçando ao longo da sua vida a aprendizagem realizada.

 

E uma regra básica, simples e que nunca, mas NUNCA E EM HIPÓTESE ALGUMA DEVE SER ESQUECIDA - Uma criança sem maturidade não deve ser deixada só com o mais meigo dos cães!!

 

O meu Labrador era um doce, nunca faria mal ao meu filho, não intencionalmente. Agora imaginem a cena,

Deixo a criança como o cão, o gaiato sobe-lhe para cima e decide experimentar enfiar-lhe os dedos nos olhos, coisa perfeitamente natural numa criança sem maturidade e que está em plena descoberta. O que faz o cão?

Defende-se e levanta-se com a maior rapidez possível para não ser "atacado"! Entretanto o miúdo deu um valente trambolhão! E há quedas e quedas, como tão bem sabemos.

 

Agora imaginem uma cena parecida com esta com um cão que não foi educado, com tendência a ser agressivo, e também ele mais do que imaturo!

 

E há que existir uma mentalização deveras importante, há cães que não podem viver em apartamentos! Mesmo que o dono o passeie e disponha de tempo para fazer exercício com ele. O espaço de um apartamento pode pô-lo neurótico.

 

Não sei o que se passou com aquela criança e muito menos conhecia o cão. Mas eu nunca teria um cão, arraçado ou não, Pitbull num apartamento! E muito menos com um menor.

 

Talvez esteja na hora das algumas pessoas porem o seu tento a funcionar para verem que ter um cão é uma escolha que tem que ser ponderada ao mais ínfimo pormenor, e tenham paciência, mas há raças que têm tendências para a agressividade! E se tiverem um "dono" inexperiente o somatório é explosivo!

 

Desfrutar da companhia de um cão deve ser algo positivo.

 

Imagem retirada da net

 

 

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D