Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Ele vem aí

Está à porta mais um novo ano. Com ele faz-se o balanço do ano que se esgota e tomam-se resoluções que, na sua grande maioria, nunca irão passar disso mesmo.

 

Há também que deixe por mãos alheias as decisões para o novo ano. Lê-se o horóscopo e se este disser que vai ser um bom ano ficamos aliviados. Lamento, mas alguns signos terão que se esforçar mais um pouco, mas para eles também vai correr bem

 

Faz-se uma festa com direito a passas, sobe-se à cadeira, bate-se nas panelas, bebe-se espumante ou champanhe, usa-se uma peça azul e nova tentando desesperadamente não agourar o novo ano! Tradições pagãs que nos fazem sentir melhor e imaginar que estamos a cumprir todos os preceitos para que o ano nos corra bem!

 

Há também há quem vá à bruxa, para que esta os livre do peso do ano anterior e comecem tudo de forma "limpa". Sim. Porque eu não acredito em bruxas mas que as há, lá isso há. Por falar nisso, quem tiver o endereço de uma boa e que não seja charlatã que diga, porque estou bem precisadinha!

 

Enfim, faz-se de tudo para atirar com o passado para trás das costas e tentam-se novos começos. A chatice é que o passado agarra-se às nossas pernas como cola!

 

Seja como for, um novo ano vem aí. E sim, com ele novos começos. Novas decisões, meses limpos e prontos a ser descobertos e uma infinidade de aventuras, resta-nos olhar para tudo isto com esperança, fazer o que for preciso para busca-la caso ela não surja espontaneamente.

 

Afinal, todos buscam ser felizes. E a felicidade está ali ao lado, estiquemos pois as mãos e tentemos tocar os nossos sonhos em 2017....

 

Um grande e carinhoso abraço a todos que conheço neste mundo virtual. Pessoas que de longe fazem os meus dias serem melhores e  uma doce descoberta. O meu sincero obrigada pela vossa existência 

 

planta nasce.jpg

 

Proteger

desenho-criança.jpgImagem retirada da net

 

Há uns dias que era para falar nisto, mas é um tema que não é agradável.

Discutiu-se há pouco se os pais deveriam ou não ter acesso à lista de abusadores de menores, até aos 16 anos. Muitas foram as vozes que se insurgiram contra esta ideia, incluindo o nosso Ex. Presidente Jorge Sampaio, referindo o problema da justiça de apedrejamento e até vozes do Ministério Público se manifestaram contra a ideia.

 

Hoje sai a notícia que dá conta do impedimento que a Ordem dos Médicos quer fazer a profissionais de saúde com registo criminal que indique acusação por pedófilia.

 

Deus, e quem segue este Blogue, é testemunha de que eu não vou nada à bola (nem a coisa nenhuma) com o actual Governo, mas esta ideia eu aplaudo. E mais minha gente. Aplaudo de pé.

 

Pedofilia não é um crime qualquer. É um crime praticado por um doente mental que não tem cura. É um psicopata dos piores. Não acredito que exista a mínima hipótese de reinserção, ou reeducação, nestes casos! E a virem para a sociedade acho que devem ser SEMPRE vigiados! A sociedade tem esse dever pois tem obrigação de proteger as crianças! Se essa vigilância fosse eficaz talvez assim eu acreditasse na justiça e na sua célere actuação. Mas não acredito. Por isso, como mãe, quero sim ter acesso à lista de abusadores, e acho sim que devem ser impedidos de exercer qualquer função na área da pediatria! Mas isso seria das primeiras coisinhas a fazer! Um pediatra pedófilo é o cúmulo!

 

Até sei que estou errada, e virem dizer-me que serão pessoas olhadas sempre de lado que haverá justiça pelas próprias mãos... e mais coisas que terão porventura razão. E também há o risco dos acusados inocentemente. Mas a minha razão, o meu ser racional é isso que diz. Mas uma mãe não é um ser racional! Principalmente uma mãe que já viu algumas coisas bem tristes e hediondas! Por isso, vos digo, se são olhadas de lado é pouco, mesmo muito pouco para o que fizeram. Se serão julgadas publicamente não se perde nada ao ter menos um ser nojento no mundo. E certamente que o mundo agradece.

 

Opiniões...

 

Realmente em questões de opiniões e de gostos cada um tem a sua e o seu. Há quem goste de coelho, que eu detesto, seja com que condimentos for. Há quem adore andar diariamente de preto, enquanto eu prefiro cores mais alegres. No entanto, e apesar disso esquecemo-nos frequentemente disso e damos por nós a julgar determinado acontecimento pelos olhos dos outros. Por exemplo, um determinado filme. Se lermos a opinião dos críticos temos um que lhe dará 5 estrelas e outro uma ou até nenhuma! E dirão vocês que deveríamos procurar aquele cuja opinião de assemelhe mais à nossa. Mas como? Se eu ainda não vi o filme! Como? Se o meu estado de espírito do momento pode estar diferente do critico, que vá lá, até vou mais na onda do que ele diz?

 

Aqui há uns dias surgiu-me uma situação caricata que me colocou a pensar...

 

Quem me conhece há uns três anos da Blogosfera, e os que têm o prazer (gaba-te cesto) de o constatar pessoalmente, sabem que isto é daquelas coisas que faço de vez enquando e que tento não abusar, pois faz um certo mal à saúde psíquica embora nos queiram convencer do contrário. Mas enfim... o que aconteceu é que a equipa do meu serviço se reuniu para um jantar, após uma formação, tendo faltado uma ou duas pessoas. Uma dessas colegas perguntou para o nosso grupo  dias mais tarde, "Então como correu o jantar?"

 

Resposta de uma outra colega que passarei a chamar de colega 2 :

- A comida estava horrível!

 

A minha resposta:

- Eu gostei! O arroz de lentilhas estava bom e o peixe óptimo!

 

Colega 2: - Chiii! O arroz estava uma pilha de salgado (ainda me hão-de explicar porque dizem que está uma pilha quando algo está salgado)

 

Eu: - Não achei. Estava mais temperado, mas não demasiado salgado.

 

Colega 2: - A sobremesa estava horrível.

 

Eu: - Comi ananás e estava bom.

 

Colega 2: - Estivemos no mesmo jantar?

 

Eu: - Caramba! Ainda eu acho que sou esquisita!!!

 

A que nos questionou vendo que isto não iria dar-lhe dicas sobre nada, perguntou a seguir. "E como correu a formação?"

 

Colega 2: Que treta! Uma das formadoras parecia possuída de tão excitada!

 

Eu: - A sério? Foi de encontro ao que esperava. E a senhora pareceu-me apenas bem disposta e mais à vontade, só isso.

 

Não sei o que ficou a pensar a colega que queria saber algo. Ficou certamente a pensar que só estando lá para retirar as sua próprias conclusões que seriam provavelmente diferentes das duas acima.

 

Agora expliquem-me, com tantos exemplos como estes que andam por aí, como é que ainda ousamos tirar conclusões precipitadas? Como é que ainda nos deixamos levar pelo preconceito e pelo seu irmão gémeo o estereótipo?

 

Tentem lá dar-me uma razão lógica para nos deixarmos lervar muitas vezes por opinões alheias?

 

Cada vez mais gosto de decidir por mim o que acho disto ou daquilo, pois já não é a primeira vez que ou me iludo ou até me desiludo.

 

 

Imagem retirada da internet, obrigada a quem a disponibilizou

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D