Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Sobem as cortinas... que comece o espetáculo!

fraque.jpg

 Continuação daqui

 

Passaram-se quase 6 meses desde que regressara, tentava ao máximo não se cruzar com Isabel, apesar disso, notara-lhe algumas características interessantes. Sabia montar melhor que muitos homens que conhecia e dominava aquele belo garanhão na perfeição! Além disso, cuidava pessoalmente dele. E não poderia ser de outra maneira, já que o animal era pouco sociável, mas nutria por ela uma verdadeira adoração. Quando cavalgavam pareciam um só! Falava também fluentemente o inglês e desembaraçava-se com o francês. Gostava de pintar, embora nada saísse dali que valesse a pena ser exposto. A lia imenso, passava horas na biblioteca da família.

Lúcio e ela tinham estabelecido uma relação de amizade, o que o aborrecia deveras. E estava cansado de ouvir o amigo enumerar as “qualidades” de Isabel. E não fora o facto dele ser seu padrinho de casamento já lhe teria sugerido o caminho de saída.

Pensava porventura que se tratava de uma mulher perfeita? Isso não existia! E se ele a achava perfeita que se casasse com ela. Ahh! Pois. Era ele o seu noivo! Raios para as promessas de família!


Até a mãe ela lhe tinha “roubado”!

Margarida, beirava os 60 anos tinha tido várias gravidezes, tendo só 4 chegado a bom termo, uma que lhe deu origem, a ele, e as outras resultaram em bebés que faleceram pouco tempo depois, tendo sido 3 delas meninas. Isabel, era pois, a filha que sua mãe nunca tinha podido abraçar. A relação entre elas era carinhosa, de pura amizade e cumplicidade. E assim conseguiam também obter de seu pai, algo torrão, tudo o que pretendiam. Margarida era a mãe que Isabel fora obrigada a deixar para trás.

 

O único passatempo que possuía e onde podia descarregar toda a sua fúria, muitas vezes para cima de pobre Lúcio, eram as lições de esgrima.

Mas até isso Isabel fazia na perfeição! Vira-a muitas vezes de florete em punho a massacrar o seu instrutor.


Ela irritava-o profundamente e o pior é que não encontrava nenhuma razão plausível para isso. A pirallha sardenta e mimada tinha dado origem a uma mulher obstinada muito fora do seu tempo, da época em que viviam. Em que não davam o valor que elas mereciam. Ele já tinha discursado acaloradamente sobre o tema, reiterando a ideia que as mulheres deviam ser olhadas de outra forma pela sociedade. Claro que o tema caía pouco depois nas graçolas e palhaçadas por parte dos amigos e até professores, nada que ele já não estivesse habituado, mas que mesmo assim não o demoviam de falar sobre o assunto sempre que lhe aprouvesse. Mas esta Isabel era demais!

 

Seu pai deixou escapar entre conversas que fora ela que lhe fizera um ultimato em relação à realização do casamento!! Ou ele, Afonso, regressava e cumpria com a palavra dada a seus pais ou ela, Isabel, iria ser obrigada a voltar para Portugal e romper com anos de amizade e até de negócios conjuntos. Nada a calhar. Sobretudo para a dita honra da família que o seu pai enchia o peito para falar. Dane-se a Isabel!


E com esta raiva que lhe crescia no peito Afonso era ajudado pelo seu criado de quarto a vestir-se, a arranjar-se, para o dia do seu casamento. Como fugir disto?

 Parecia não existir fuga possível. Mas ela que não pensasse que ele se vendia! Que se deixava corromper pelos seus inúmeros encantos. Nunca!

 

E com essas palavras desceu a escadaria para cumprir o seu papel de noivo.


Compelindo-se até ao altar, ao lado de seu pai e sua mãe, ainda lhe ecoavam os mesmos pensamentos mesmo enquanto ela, resplandecente como nunca, arrancando a lágrima fácil das damas presentes e sorriso complacente dos cavalheiros, se ufanava pela nave da Igreja.

 

Ouviu-lhe as palavras da praxe enquanto a aliança lhe era impelida pelo seu dedo acima,

– Sim, prometo ser-te fiel,… - e sabia que era a sua vez de representar o mesmo papel mas simplesmente não era capaz! E deixou-se ficar assim. A aliança pequena presa entre o seu indicador e polegar sem se mexer, sem cumprir o seu caminho.

Isabel olhava-o num misto de medo e vergonha. A cor a fugir-lhe das faces. Um burburinho começava a ecoar pela Igreja e Afonso estava quedo.

Sentiu a seu lado uma pressão no cotovelo. A voz do seu pai vociferada em seu ouvido.

- Que estás à espera? Não me obrigues…

Afonso libertou-se do toque paterno, indesejado, e continuou com o espetáculo. Sim. Um teatro em que ele era o protagonista e tinha, por sinal, que ser um excelente ator.

Mas depois de descerem os panos. Nos bastidores, aí a conversa seria outra….

 

 

Continua....

Mais sobre mim

imagem de perfil

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D