Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Eu tento, mas meu tento não consegue!

Sabendo que nem sempre vou conseguir ir aos vossos espaços, mas nunca vos esquecendo e sempre tentando...

Qual é a cor?

A maior parte dos que visitaram este blogue provavelmente já se esqueceram da sua existência… mea culpa. Primeiro porque tive um longo afastamento e depois coloquei aqui um post, numa esperança de regresso, mas foi um retorno muito tímido, a menos do chamado “meio gás”.

 

Além disso, não tenho ido aos vossos cantos. E nem sei quando terei hipótese de o fazer como queria. Lembro-me de cada cantinho da blogosfera com carinho, mas a verdade é que estar no computador torna-se algo custoso para mim. Portanto, decidi fazer deste “Eu tento, mas o meu tento não consegue” apenas algo onde venho debitar algumas ideias, sabendo de antemão que o meu afastamento dos vossos espaços se traduzirá em menos visitas ao meu também, é o normal…. Esta troca é essencial, mas nem sempre possível e já aceitei que não vale a pena a angústia de não conseguir ir aqui e ali e contento-me com o que posso.

 

 

vestido-preto-1.jpg

 

Não sei se já perceberam pelo post anterior que estou numa fase menos boa, além de muitas outras coisas que me têm acontecido, perdi o meu pai para a morte. Já tinham falecido de família, 2 avós, um avô, e uma tia. Mas a morte de um pai não se compara a nenhuma dessas. Uma parte de mim se rompeu!

 

Depois de ter assumindo um papel maternal em relação a ele, com a maldita demência. Inclusive a escolha para o lar onde ele estava foi na cidade onde vivo, e não na área de residência dos meus pais, tudo para que eu pudesse dar-lhe mais apoio, algo que a minha mãe não conseguiria de todo. Isto acabou por se traduzir numa relação mais forte com ele.

 

Tentei sempre que ele mantivesse alguma dignidade numa doença que nos tira tudo.

 

Agora resta-me o luto.

 

E o que é o luto?

 

Eu sei que existem todas aquelas “regras” de luto, que até têm uma história interessante, segundo uma pesquisa no sabichão Google, mas que se transformou em algo muito estranho. Para tios têm que se andar três meses de luto, avós meio ano e pais dois anos. As viúvas normalmente vai de três anos, ou então, ao resto da vida que lhes resta estar neste mundo sem o companheiro. Isto são normas seguidas com certo rigor na aldeia dos meus pais!

 

Numa pessoa como eu, que odeia a cor preta, imaginem o que é…

No dia em que soube que o meu pai faleceu tive que ir comprar, a correr, e no meio de muitas coisas a tratar, umas peças de roupa preta porque nem para o velório e o funeral eu tinha algo preto que servisse para o efeito. Obviamente tenho um vestido todo “pipi” que é preto, mas nada indicado. Agora imaginem a cabeça com que eu estava para andar a escolher roupa…. Mas TINHA QUE SER!!

 

E agora pergunto, quanto tempo tenho que vestir o preto?

Afinal em que é que a roupa que visto se relaciona com o sentimento de perda em relação ao meu pai?

 

Na minha opinião, e aquilo que eu sinto, é que o luto está dentro de mim. O luto é aquele que eu faço todos os dias nos meus momentos mais só. Quando as lágrimas correm sem destino e sem controlo. Isso é o meu luto. Não é a cor da roupa que visto ou deixo de vestir.

Agora poderão dizer-me que a roupa é o espelho do nosso estado de espírito. Aqui eu digo, não será então melhor, e para ajudar alguém que está na fase de luto, daquele luto interior que vos falei, vestir algo mais alegre e airoso, que a ajude a sentir-se melhor? Quanto mais não seja melhor por fora já que por dentro está tudo partido…

 

Sei que o meu pai compartilhava das minhas ideias e sei que ele nunca desejaria, e sabendo a minha rejeição pela cor preta, que eu me forçasse a vesti-la. Mas o certo é que neste primeiro mês, algo tão enraizado em mim, me levou a usar o escuro. Mas não vou fazê-lo mais. Não consigo, monetariamente falando, mudar o meu guarda-fatos. E também não consigo mudar a minha forma de racionalizar isto.

Estou de luto sim. Mas dentro de mim. E não tenho tempo marcado para deixar de estar assim… Serão os tais dois anos? Não sei… Já me disseram que o tempo ajuda. Mas, para já, algo nas minhas entranhas dói demais para que eu possa ditar quando deixará de doer assim!

 

 

 

Foto retirada da internet

 

Tempo de paz... Tempo de amor.

 

Flor da minha passiflora retirada com telemóvel, mas não é desta que o Gaspar me deixa comprar a máquina que quero...

 

 

Estamos em plena época Natalícia, cheira a Natal, para os narizes mais apurados é óbvio! Já deu o filme da saga "Sozinho em Casa", já se ouve a música (deprimente) natalícia de George Michael, que alguém ainda vai ter me explicar porque é que este drama amoroso toca sempre no Natal...

Já se compram algumas prendinhas, as que o Gaspar deixa, prepara-se a esperada consoada, fazem-se os últimos embrulhos, enfim, tudo se prepara para aquela noite e aquele dia especial.

 

Mas especial porquê?

 

Para muitos o Natal é uma época triste, aquela época à volta da qual se criam demasiadas expectativas e que no fim, não sendo cumpridas, fazem criar aquele incómodo no estômago, daqueles que não passam com antiácido.

Pessoas que estando sós o ano inteiro nesta altura a sua solidão aumenta, ficando um gigante feio e barbudo, mas não daqueles que trazem presentes pela chaminé, e sim daqueles que incomodam, ocupam espaço e não nos deixam fazer nada.

 

Mas o Natal continua a ter aquele "toque" especial.

As crianças tentam portar-se melhor, ameaçadas por outro gigante gordo barbudo, os adultos andam mais felizes e atarefados, não pensando muito no "resto". Afinal o resto tem tempo para começar a incomodar outra vez.

As ruas têm mais cor, seja pelas montras iluminadas, seja pela iluminação em que algumas autarquias gastaram o que não podiam, ainda com a mania de viverem acima das possibilidades! Maus vícios difíceis de perder...

 

Crenças religiosas à parte, o Natal entra-nos pela vida adentro sem autorização. A bem dizer da verdade eu até lhe estendo o tapete vermelho! Gosto desta época. Afinal dá mais cor a este Inverno cinzentão, é uma boa oportunidade para a família se reunir. Para oferecer o que podemos, enfim,... para demonstrar às pessoas que gostamos delas.

 

Para mim o Natal acaba por ser o término de uma época, para dar início a outra. E que melhor maneira haverá de o fazer com um jantar? Com oferendas? Com sorrisos infantis? Com a família reunida?

 

Esta é a altura ideal para lembrar às pessoas que gosto delas, e que apesar de a vida diária não permitir que se lhes telefone com frequência não me esqueço delas! Pode ser com um telefonema, nesta altura, um postal, ou até um simples SMS, que escrevo personalizado, afinal mais vale não mandar do que enviar um "corrido".

 

É altura propícia para "fechar" uma época, um ano, com delícia, com carinho, com um sorriso. Afinal que presente há melhor do que demonstar que gostamos de alguém e poder ver o sorriso de saber que se é "gostado"?

 

Tento com isto dizer que gosto de vós, de todos os que aqui vêm, silenciosamente ou deixando-me sempre um palavra. Gosto que façam parte da minha vida, e gosto do colorido que lhe dão. Obrigada. E para todos um Natal doce e que o vosso término seja suave e feito em paz.

 

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D